Angola | Cabinda | Europa

Cabinda: Rodrigues Mingas condenado a cinco anos de prisão efetiva em Paris

rodriguesMingas
Rodrigues Mingas

Considerado culpado de participação em associação de malfeitores em vista de preparação de um ato de terrorismo, de janeiro de 2010 a 13 de dezembro de 2010, André Rodrigues Mingas foi condenado no Tribunal de Grande Instância de Paris a cinco anos de prisão efetiva e cerca de 450.000 euros de multas e indemnizações, de prejuízos morais e materiais. Durante a leitura da sentença a juíza também reconheceu Angola como “vítima”.

Devido ao “risco de reiteração”, a juíza deu ordem de prisão imediata, tendo sido Rodrigues Mingas algemado na sala de audiências. Após ouvir a totalidade da sentença, Rodrigues Mingas foi conduzido para a prisão.

Segundo um dos advogados da parte angolana, Jean Reinhart, “Angola já aguardava por esta decisão desde há muito tempo” e “está satisfeita com a decisão do tribunal” que “logicamente” condenou Rodrigues Mingas a uma pena de prisão.

A 8 de janeiro de 2010, em Cabinda, o autocarro proveniente de Ponta Negra no Congo que transportava a seleção nacional de futebol togolesa que iria participar na Taça Africana das Nações (CAN), escoltado pela polícia angolana, foi atacado por homens armados. Durante 20 minutos os atacantes dispararam contra o veículo causando dois mortos e vários feridos.

Pouco depois do ataque a ação foi reivindicada pela organização Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Posição Militar (FLEC-PM), cujo porta-voz era Rodrigues Mingas, o qual, a partir da região parisiense, deu várias entrevistas à imprensa. Nas suas declarações Rodrigues Mingas declarou que a ação contra a equipa togolesa era a primeira de um conjunto de operações que a FLEC-PM pretendia efetuar em todo o território de Cabinda.

© e-Global Notícias em Português
2 Comentários

2 Comments

  1. Ilídio Machado

    08/06/2017 at 16:00

    Hammmm. Agora já sei. Os crimes que são cometidos em Angola devem ser reportados a um tribunal em Paris!!! Afinal somos mesmo “mente captos”. Tribunais parisienses, se preparem para a quantidade de processos que vão receber… e melhor adiarem férias
    de fim D’Ano e prepararem novas unidades penitenciárias porque se prevê época de “muita chuva”

  2. Aída Paiva

    11/06/2017 at 8:28

    Quando leio essas reportagens sobre a África quase desisto de viver. Estou lendo reportagens lindas e maravilhosas sobre o Putin novas formas de pensar e governar quando de repente vejo um artigo sobre a África mostrando que ainda falta muito pra gente atingir a perfeição. O jeito do ser humano se organizar pra resolver problemas ainda não está bom. Precisamos pensar mais a África, nos unir a África, nos integrar a África, acolher a África, incluir a África. Pensar a terra com a África.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo