Goa | Segurança

Suspeito de terrorismo diz que a polícia o está a incriminar

policiagoa

Um suspeito de terrorismo, Sameer Sardana, acusou a Polícia de Goa e as agências de segurança Central de o insultarem relativamente ao seu interesse no Islamismo.

O suspeito, que foi libertado sob fiança, disse que tinha armazenado informações sobre explosões de bombas no seu computador porque se imaginava como um artista de imitação.

Sardana culpou a polícia por tentar, supostamente, incriminá-lo de um caso de terrorismo e o torturarem. Sardana, filho de um general principal aposentado, que foi preso em 2 de fevereiro pelo esquadrão anti-terrorismo da Polícia de Goa, passou mais de uma semana sob custódia da polícia, onde foi interrogado por oficiais da polícia do Estado, Agência Nacional de Investigação e outras agências de segurança.

“Houve tortura física e insultos raciais. Creio ter sido incriminado “, disse Sardana.

Após a sua detenção, a polícia apreendeu cinco passaportes e vários cartões de telemóvel. Um exame ao seu computador, por especialistas cibernéticos, revelou dados sobre explosões anteriores. Sardana também acusou a polícia de tentar virar a opinião pública contra ele.

O Diretor Geral da Polícia, TN Mohan, no entanto, disse que não havia provas incriminatórias contra Sardana. Negou que o suspeito tivesse sido insultado e torturado.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo