África Subsaariana

Ministra da saúde alerta que o Burundi faz face a uma epidemia de malária

malaria

O Burundi declarou uma epidemia de malária (paludismo) depois de mais de nove milhões de casos terem sido registados desde o ano passado.

De acordo com a ministra da Saúde do Burundi, Josiane Nijimbere, mais de 3.700 pessoas morreram de doenças transmitidas por mosquitos desde 2016.

“Há um aumento de 13 por cento dos casos relacionados com a malária”, disse a governate, acrescentando que esta é a razão pela qual decidiu declarar a doença como uma epidemia.

Nijimbere destacou Kirundo, Muyinga e Kayanza no norte do Burundi e Cankuzo no leste como as áreas em que um aumento no número de pessoas atingidas doença tem sido relatado.

A situação é agravada ainda mais pela fome na sequência das mudanças climáticas e da seca prolongada.

“A prioridade da Organização Mundial da Saúde (OMS) agora é trabalhar com o Ministério da Saúde do Burundi para finalizar o plano de resposta ao surto, envolver-se na mobilização de recursos e prestar apoio técnico, incluindo a instalação de especialistas em malária”, disse o Dr. Walter Kazadi Mulombo, à EastAfrican.

De acordo com o governo e a OMS, serão necessários cerca de 3,1 milhões de dólares para o plano de resposta à epidemia.

De acordo com a OMS, no ano passado 212 milhões de casos de malária foram relatados globalmente com 429.000 mortes registradas.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo