África Subsaariana | Segurança

Piratas sequestram cargueiro do Sri Lanka ao largo da costa da Somália

piratas-somalia

As autoridades da Somália anunciaram que os piratas sequestraram um navio ao largo da costa do país do Corno de África. Pensa-se ser o primeiro sequestro de um navio comercial grande há cerca de três anos.

Responsável do estado semiautónomo de Puntland disse que o incidente ocorreu na segunda-feira e que mais de duas dezenas de homens assaltaram o navio mercante ao largo da costa norte da Somália.

Também outro responsável em Puntland disse que o navio é um cargueiro sinalizado pelo Sri Lanka e que se dirigia para a costa. Ambos os funcionários falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a falar com a imprensa.

A porta-voz da operação da Força Naval da União Europeia na Somália, Louise Tagg, confirmou também que um incidente envolvendo um petroleiro  ocorreu ao largo da costa da Somália e que uma investigação está em curso.

A revolta tem aumentado entre os pescadores locais, incluindo antigos piratas, devido aos pescadores estrangeiros que pescam ilegalmente nas águas locais. Em declarações por telefone à Associated Press, Salad Nur, um ancião de Alula, cidade costeira em Puntland, confirmou que jovens pescadores, incluindo ex-piratas, sequestraram o navio.

“Eles navegavam à procura de um navio estrangeiro para sequestrar desde ontem de manhã e encontraram este navio e abordaram-no”, disse. “Os pescadores estrangeiros destruíram os seus meios de subsistência e privaram-nos da pesca apropriada.”

A pirataria ao largo da costa da Somália foi uma séria ameaça para a indústria global de navegação, mas diminuiu nos últimos anos após um esforço internacional no patrulhamento deste espaço marítimo, que tecnicamente depende de um governo central frágil que tenta afirmar-se depois de um quarto de século de conflito.

Segundo as Nações Unidas há quase três anos que os piratas somalis não têm sequestrado navios, mas mantêm a capacidade e a intenção de retomar os ataques. Ultimamente têm mudado o alvo para pequenos barcos de pesca estrangeiros.

O portal da força da UE atualmente não lista navios ou reféns detidos por piratas. As preocupações sobre a pirataria na costa de África mudaram em grande parte para o Golfo da Guiné.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo