Agenda

Relatório ONU revela números preocupantes para raparigas

Números preocupantes demonstram que o mundo ainda é um lugar violento e discriminatório para as raparigas: 12 milhões casam ainda na adolescência, cerca de 13 milhões, ou quatro em cada vinte, entre os 15 e 19 anos, já sofreu uma violação, quase quatro em cada dez acreditam que a mulher ser agredida pelo marido é um ato justificado e quatro milhões estão em risco de sofrer mutilação genital feminina (MGF).

Os dados constam do relatório “Uma Nova Era para as Raparigas: os últimos 25 anos” divulgado antes da 64ª sessão da “Comissão sobre a Situação das Mulheres” pela Unicef, a Plan International e a UN Women. O relatório faz uma reflexão sobre a igualdade de género nos últimos 25 anos e revela também que o suicídio é, actualmente, a segunda maior causa de morte de raparigas entre os 15 e os 19 anos e que em todo mundo 970 000 raparigas entre os 10 e 19 anos vivem com VIH.

Apesar das tendências negativas apresentadas, são referidas também melhorias na área da educação. Existem cada vez mais raparigas a irem e permanecerem na escola, verificando-se até que na última década as raparigas passaram a ter mais probabilidade de frequentarem a escola secundária do que os rapazes. No entanto, este progresso teve pouco impacto na criação de um ambiente mais justo e menos violento.

O relatório apela assim à intervenção em determinadas áreas, entre as quais, o aumento no investimento em políticas e programas de modelos que permitam acelerar o progresso das, e para as, raparigas através do desenvolvimento de competências e da erradicação da violência de género, do casamento infantil e da MGF.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo