Governo sueco dá luz verde para local de armazenamento de resíduos nucleares

O governo sueco deu luz verde para um local para armazenar combustível nuclear radioativo usado, localizado a 130 quilómetros a norte de Estocolmo.

A licença permite que a Empresa Sueca de Gestão de Resíduos e Combustíveis Nucleares (SKB), responsável da instalação de eliminação geológica (GDF) na Suécia, faça os preparativos para a construção inicial do local em Forsmark.

Quando totalmente desenvolvido na década de 2080, o repositório será composto por cerca de 60 quilómetros de túneis com espaço para mais de 6.000 recipientes de combustível irradiado.

O governo sueco irá agora entregar o caso ao Tribunal de Terras e Meio Ambiente do Tribunal Distrital de Nacka, que emitirá uma licença e estipulará as condições detalhadas para a operação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin