Petróleo sobe depois da OPEP cancelar negociação sobre a produção

Os preços do petróleo subiram mais de 1,2% esta segunda-feira, depois dos países da OPEP + cancelarem as negociações sobre os níveis de produção, o que significa que não foi alcançado nenhum acordo.

A meio do dia o petróleo brent já subia 94 centavos, ou 1,2%, a 77,11 dólares o barril, negociando em torno de máximas de 1 a 2 anos. O petróleo dos EUA ganhou 1,11 dólares ou 1,5%, para 76,27dólares o barril.

Os ministros da OPEP + abandonaram as negociações e não estabeleceram uma nova data para retomá-las. Recorde-se que na semana passada as negociações já tinham sido canceladas quando os Emirados Árabes Unidos rejeitaram uma proposta de extensão de oito meses para as restrições à produção.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Angola: João Lourenço diz que SADC é “um bom exemplo” dos processos eleitorais livres e transparentes

Angola: João Lourenço diz que SADC é “um bom exemplo” dos processos eleitorais livres e transparentes

João Lourenço, que é Presidente em exercício da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês), defendeu…
Revista de Imprensa Lusófona de 27 de maio de 2024

Revista de Imprensa Lusófona de 27 de maio de 2024

No Brasil o portal de notícias “globo.com” refere que “Tragédia no RS é usada para golpes de anúncios falsos e…
Discurso do Líder do Hezbollah no rescaldo da morte do Presidente do Irão

Discurso do Líder do Hezbollah no rescaldo da morte do Presidente do Irão

Sayyed Hassan Nasrallah, o Secretário-Geral do Hezbollah, deu um discurso aos seus apoiantes, na passada sexta-feira, com críticas e ameaças…
Recorde mínimo de gelo marinho na Antártida seria “extremamente improvável” sem alterações climáticas

Recorde mínimo de gelo marinho na Antártida seria “extremamente improvável” sem alterações climáticas

Um grupo de cientistas do British Antarctic Survey descobriu que os níveis recorde de gelo marinho, na Antártida, em 2023,…