Estudo internacional confirma o papel do vulcanismo na extinção em massa dos dinossauros

Um novo estudo internacional, liderado pelo investigador Eric Font, da Universidade de Coimbra (UC), confirma a tese de que erupções vulcânicas gigantes contribuíram para a extinção em massa dos dinossauros.

Este estudo, que envolveu também cientistas da Alemanha, China e Suíça, acaba de ser publicado na revista científica Geology e promete reacender o debate junto da comunidade científica.

A causa da extinção em massa de espécies terrestres e marinhas, incluindo os dinossauros, no período Cretácico-Paleogénico(K-Pg), há 66 milhões de anos, tem sido um tema muito debatido entre a comunidade científica internacional. Durante várias décadas prevaleceu a teoria de que foi o impacto de um meteorito (o Chicxulub) na Terra que provocou a extinção em massa dos dinossauros e de outras espécies. No entanto, «na mesma época (Cretácico-Paleogénico), houve erupções vulcânicas de dimensões gigantescas, na Província magmática (vulcânica) do Decão, na atual Índia, que poderiam ter contribuído também, ou até principalmente, para a extinção em massa», conta Eric Font.

Contudo, a dificuldade «em conseguir datar com precisão as erupções que ocorreram no continente, através do registo paleontológico e da camada de irídio [elemento químico raro na Terra, mas abundante em meteoritos] essencialmente preservada em sedimentos marinhos, gerou algumas questões, nomeadamente: o vulcanismo começou antes (e pode ter contribuído para) ou depois (e não pode ter contribuído para) da extinção em massa? Este vulcanismo teve um impacto global? Qual foi o seu impacto no clima da Terra e na vida terrestre?», explica o investigador e docente do Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

Em 2016, um estudo, também liderado pela equipa de Eric Font, demonstrou que o vulcanismo do Decão se iniciou antes do impacto do meteorito e permaneceu durante e após este impacto. A descoberta foi baseada em quantidades anómalas de mercúrio (Hg) registadas nos sedimentos marinhos de Bidart, cidade francesa, «onde estão preservados os sedimentos correspondentes ao período do Cretácico-Paleogénico. Este afloramento é conhecido mundialmente por ter preservado a famosa camada de irídio que foi depositada pelo meteorito (que supostamente matou os dinossauros)».

«Na Terra, o mercúrio é um elemento produzido essencialmente por atividade antropogénica ou pelo vulcanismo. Porém, desde a publicação do nosso trabalho de 2016, houve um debate sobre a origem deste Hg, sendo que os meteoritos podem também conter quantidades significativas de Hg», refere o investigador da FCTUC. Para esclarecer as dúvidas, a equipa de Eric Font voltou a estudar, ao longo dos últimos três anos, os sedimentos marinhos de Bidart, complementando a investigação de 2016 e usando novas técnicas (isótopos de Hg) que permitem identificar a fonte do mercúrio. Os resultados agora publicados na Geology demonstraram uma origem vulcânica para este Hg, através da sua emissão para a atmosfera e posterior deposição dos sedimentos. 

Os resultados obtidos «confirmam que as erupções vulcânicas do Decão tiveram início antes de um meteorito ter colidido com a Terra, antes da morte dos dinossauros, e continuaram depois. Ou seja, o vulcanismo do Decão pode ter sido uma das principais causas para a extinção dos dinossauros», assevera Eric Font.

O “supervulcão” do Decão «teve claramente um efeito global. Se o impacto de Chicxulub foi a “gota de água que fez transbordar o copo” ou foi um evento inconsequente que ocorreu durante uma extinção que já tinha sido provocada pelo vulcanismo, ainda está por esclarecer», afirmam os cientistas no artigo cientifico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin