Incêndios florestais ligados às alterações climáticas são cada vez mais frequentes

Um novo estudo reforça a tese de que as alterações climáticas têm sido a principal causa da crescente quantidade de terras no oeste dos Estados Unidos destruídas por grandes incêndios florestais.

Rong Fu, professor de ciências atmosféricas e oceânicas da UCLA e autor do estudo, disse que a tendência deve piorar nos próximos anos. “Temo que as temporadas recordes de incêndios nos últimos anos sejam apenas o começo do que virá, devido às alterações climáticas, e a nossa sociedade não está preparada para o aumento dos incêndios florestais no oeste americano.”

O aumento dramático na destruição causada por incêndios florestais é confirmado pelos dados do US Geological Survey. Nos 17 anos de 1984 a 2000, a área queimada média em 11 estados ocidentais foi de 1,69 milhões de acres por ano. Nos 17 anos seguintes, até 2018, a área queimada média foi de aproximadamente 3,35 milhões de acres por ano. E em 2020, de acordo com um relatório do National Interagency Coordination Center, a quantidade de terra queimada por incêndios florestais no oeste atingiu 8,8 milhões de acres – uma área maior do que o estado de Maryland.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin