Maior canário do mundo identificado na ilha de São Tomé

Durante mais de cem anos, pensou-se que a ave conhecida como “bico-grossudo”, encontrado nas florestas tropicais e húmidas da ilha de São Tomé, seria da espécie Neospiza. Alguns investigadores pensavam até tratar-se de um parente dos tecelões.

Mais de 100 anos depois, através de uma bolsa da National Geographic Society, o biólogo português Martim Melo respondeu ao enigma através de amostras de sangue, que vieram desvendar o mistério. Depois dos testes, descobriu-se que o pássaro pertence à espécie crithaga, considerando-se assim a maior espécie de canário do mundo, o “canário de São Tomé” (crithaga concolor). A espécie crithaga concolor está atualmente em grave risco de extinção.

O parente mais próximo daquele que é o maior canário do mundo é o “canário-castanho-de-príncipe” (crithagra rufobrunnea), que se pode encontrar na ilha de São Tomé e na ilha do Príncipe.

No arquipélago de São Tomé e Príncipe podem encontrar-se mais de 140 espécies de aves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



Artigos relacionados

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

A ilha cabo-verdiana de Santo Antão registou uma redução “drástica” no número de turistas em 2020, uma vez que foram contabilizados apenas 12.620 no ano passado. Este…
Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

O Banco Mundial (BM) prevê que a economia moçambicana recupere gradualmente ainda neste ano de 2021. No entanto, alerta para os riscos significativos de uma queda, devido à incerteza sobre o caminho…
Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

O Procurador-Geral da República de Timor-Leste, Alfonso Lopez, informou que o Ministério Público registou 2.577 casos pendentes a nível nacional. O anúncio foi…
Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

“Calígula morreu. Eu não“, espetáculo com encenação de Marco Paiva e texto da dramaturga espanhola Clàudia Cedó, chega à Sala…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin