Bienal junta Mulheres Artistas tendo Macau como palco principal

BA ARTFEM 2020- Bienal Internacional de Mulheres Artistas vai estar patente entre 30 de setembro e 13 de dezembro sob o tema “Natura” – conceito veiculado à proteção do ambiente e tradições etnográficas. Cerca de 98 criadoras de 22 países apresentam 143 obras numa celebração da Arte e Cultura no feminino.

A segunda ARTFEM 2020 tinha a sua estreia prevista para dia 08 de março, dia internacional da mulher, contudo, tendo em conta o clima de pandemia que se instaurou, os organizadores decidiram adiar a abertura para 30 de setembro.

Segundo comunicado da organização, o tema da Bienal de 2020 foca-se no papel da mãe-natureza e a exposição pretende trazer à tona discursos urgentes sobre o meio ambiente, incluindo a sua proteção ou devastação, a relação da humanidade com a natureza e a crise pandémica COVID-19, que afecta o mundo desde dezembro de 2019.”

É ainda de salientar, nas palavras do presidente do certame, Carlos Marreiros, a importância desta Bienal que continua a ser o único projeto internacional em vigor que celebra exclusivamente o papel da mulher no plano artístico e cultural.

A vasta seleção de trabalhos artísticos feitos nas mais diversas áreas artísticas como a pintura, cerâmica, escultura, desenho, serigrafia, vídeo, fotografia e pesquisas plásticas começou a ser feita logo em 2018, após o fecho da 1.ª edição num intenso processo de seleção e escolha, desenvolvido pela equipa curatorial residente, que conta com nomes como o arquiteto Carlos Marreiros, a artista Angela Li da China e Leonor Veiga de Portugal.

O palco escolhido para esta mostra voltou a ser mais uma vez a Região Administrativa especial de Macau (RAEM), que irá estabelecer-se em 4 espaços distintos, o Albergue SCM, o Antigo Estábulo Municipal, a Galeria Lisboa e a Casa Garden.

 

Portuguesas em destaque na ARTFEM 2020

A artista plástica, activista e agente cultural, Rita GT, será uma das 16  participantes portuguesas presente na Bienal. Nascida no Porto, vive entre Lisboa, Londres, Luanda e explora principalmente temas associados à identidade, memória e Direitos Humanos.

Em declarações à e-global não escondeu a sua satisfação pela presença no certame, afirmando que tendo em vista a conjuntura actual, a tomada de consciência da importância dos direitos de igualdade humanos, a bienal será, sem dúvida, um marco na arte contemporânea internacional.

A obra da artista que figurará na Bienal intitula-se Blasé. É parte de uma série de colagens realizada em 2018 que representa uma afirmação, uma obra feminista e política inspirada na música e letra de Archie Shepp, lendário saxofonista norte-americano que pautou a sua vida pela luta contra as injustiças raciais.

 

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

O Ministério das Finanças de Timor-Leste divulgou dados que indicam que o Estado gastou mais de 57 mil dólares americanos…
Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

No dia 30 de dezembro do ano passado, o então presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deixou o país rumo ao…
Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Cerca de 38 organizações portuguesas e quase 300 pessoas assinaram um documento de apoio ao governo democraticamente eleito do Brasil…
Brasil: Empresários do estado do Espírito Santo apostam em investimentos em Portugal

Brasil: Empresários do estado do Espírito Santo apostam em investimentos em Portugal

O investimento social e cultural é o foco da Associação de Portugueses do Estado do Espírito Santo, no Brasil. De…