Cultura

Festival Azgo promete eletrizar Maputo

A 9ª edição do Festival Azgo terá lugar em Maputo nos dias 16 a 19 de Maio de 2019, sendo o espaço de referência para alguns dos melhores e maiores artistas do país e do mundo, reunindo um programa diversificado de música de qualidade, cinema e dança na capital moçambicana.

O nome Azgo é um termo popular que na gíria significa, “vamos” e é isso que o festival pretende fazer, despertar o público no caminho das artes e ajudar a promover a cultura e património africanos.

O cartaz de 2019 para além de vários eventos culturais reúne algumas das maiores vozes de Moçambique, Angola, Brasil, Suazilândia, Portugal, África do Sul entre muitos outros artistas provenientes de diversas latitudes. Com o mote “Cultura é Diversão”, o festival pretende ser uma plataforma onde artistas emergentes e aclamados podem partilhar o mesmo palco e partilhar experiências.

Do Brasil chega o produtor, compositor e activista Marcelo D2,  dono de uma longa discografia e referente máximo para uma legião de seguidores que ultrapassam a atmosfera do Brasil latino. Do Atlântico de volta para o Índico, o palco é dominado pelos artistas da casa, como a banda moçambicana, Massukos, enquanto NONO AZGO, artista emergente angolano que cresceu em Lisboa, aparece numa atuação a solo que terá lugar no Campus Principal da Universidade Euardo Mondl.

Oliver Mtukudzi, Tuku, como também era tratado no meio artístico, deixa um enorme vazio nas artes, mas a sua obra continua viva e a influenciar consciências dentro e fora de África. O artista zimbabueano seria uma das grandes atrações do festival deste ano, depois de ter estado no Palco Fany Mpfumo em 2014, por isso é-lhe prestada uma singela homenagem num concerto agendado para o palco principal do Festival AZGO no Campus da Universidade Eduardo Mondlane.

A programação continua numa série de concertos gratuitos na Mafalala, onde aparecem em destaque grandes nomes nacionais como a cantora Isabela Novella, artista que actualmente divide o seu tempo entre Maputo e Lisboa e a banda Marrove, que mistura sons do norte com as músicas do mundo.

Ao mesmo tempo que decorrem os concertos, há ainda lugar para visitar exposições, tertúlias, assistir ao lançamento de obras literárias e participar nas várias atividades culturais pensadas para os mais novos como oficinas criativas de percussão, desfiles de marionetas gigantes e workshops de Ballet.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo