Cultura

Queremos ser “uma via de comunicação literária para todas as ilhas”, dizem os responsáveis pela livraria Letras Lavadas nos Açores  

Foto: Paulo R. Cabral

“Os livros nunca saem de moda”. É com esta convicção que a livraria Letras Lavadas abre as portas todos os dias nos Açores. A cada novo cliente atendido, o local comprova que os “açorianos vêem o livro como um amigo para todas as horas”. Inaugurada em julho deste ano em Ponta Delgada, a livraria surgiu com o intuito de servir, de forma diferenciada, como uma via de comunicação literária para todas as ilhas dos Açores. Nas prateleiras, muito títulos literários que chegam a todas as ilhas do arquipélago, mas também a Portugal continental e a outros países do mundo.

É através do trabalho dos responsáveis pela livraria que poetas e escritores açorianos conhecem novos destinos. E como o sonho move a vida, o trabalho da livraria hoje tem como foco promover a “evolução e a revolução nos Açores”.

Em entrevista à nossa reportagem, Patrícia Carreiro, jornalista e diretora da livraria, sublinhou o papel da Letras Lavadas no cenário da literatura açoriana, ressaltou os desafios do mercado editorial no arquipélago, falou sobre as atividades da empresa, defendeu a promoção da língua portuguesa e destacou o trabalho em prol de se “expandir a açorianidade pelo mundo fora”.

 

De que forma a Livraria Letras Lavadas pretende “Expandir a Açorianidade no Mundo”?

Este é um objetivo já conseguido pela nossa empresa e, por consequência, pela nossa livraria, pois temos autores de outras nacionalidades a publicar nas Letras Lavadas. Além disso, muitos dos nossos livros abordam temas sobre os Açores e são divulgados em muitos países, sendo, por isso, uma forma de expandirmos a açorianidade pelo mundo fora. Aproveito para realçar que em breve teremos livros sobre temáticas açorianas traduzidos para inglês, numa parceria com uma universidade norte-americana, o que se tornará numa forma de dar a conhecer a todos os outros que não falam a Língua Portuguesa a nossa história ao longo do tempo. É disto exemplo o livro “Ilhas desconhecidas”, de Raul Brandão, e “Mau tempo no canal”, de Vitorino Nemésio.

 

Que outro papel a livraria pretende assumir nos Açores?

Pretendemos ser mais uma via de comunicação literária para todas as ilhas dos Açores, mas uma via que se diferencie e que se destaque. Damos real importância aos autores da região, tendo também na nossa loja títulos das mais diversas áreas e editoras de Portugal continental. Queremos, também, ser um meio de desenvolvimento do pensamento social, pelo que temos organizado diversos eventos para públicos muito diferenciados, como seja o evento sobre a alimentação saudável, o do estado do turismo nos Açores ou mesmo sobre o envelhecimento positivo. Por outro lado, desenvolvemos várias horas do conto e estamos a trabalhar na organização de workshops, ateliês de escrita criativa, recitais de poesia, lançamentos de livros e muito mais.

 

Qual é a importância dos eventos literários que a livraria promove?

É muito importante que um espaço de livros se rodeie de momentos para os exaltar, e é isso que pretendemos com os eventos literários que a livraria promove. Como disse acima, temos realizado muitos momentos que destacam a literatura. Um dos últimos aconteceu a 12 de outubro, no âmbito do III Encontro Internacional de Poesia, realizado em Ponta Delgada, e no qual acolhemos os poetas vindos para este evento, os escritores da nossa editora e o público em geral. Com a casa cheia, recordamos num recital de poesia emocionado nomes e palavras de Antero de Quental, Natália Correia, Armando Cortês-Rodrigues e muitos mais poetas açorianos. Para nós, é importante que os nossos clientes vejam o nosso espaço como um meio de adquirir livros, mas, – primeiramente –, de os sentir. Na passada sexta-feira, dia 8 de novembro, tivemos o primeiro lançamento de um livro, nomeadamente “O lado sul da Matriz”, de Alfredo Ferreira Almeida, o qual inaugura um conjunto de lançamentos de outros títulos literários a acontecer ainda este mês, e não só.

 

Que títulos são mais procurados pelos leitores açorianos?

Os livros da Letras Lavadas são muito procurados, o que nos alegra, pois isso significa que os nossos valorizam os nossos. Além disso, a literatura nacional e internacional continua a ter um peso interessante na nossa loja, bem como temos como desenvolvimento espiritual e pessoal, vida prática, parentalidade, entre outros. Outra área de destaque é a secção infantojuvenil, na qual apostamos bastante, exatamente por termos clientes muito interessados e exigentes neste campo.

 

Como está a saúde do mercado editorial no arquipélago?

Os livros nunca saem de moda. Os açorianos continuam a ver as livrarias como um espaço interessante para estar e para encontrar um amigo especial e que nunca falha: o livro. É que para ler é mesmo só preciso abrir a carteira; não falha a internet, não falha luz, não falha nada. Um livro continua a ser um objeto de eleição. Assim sendo, parece-me que o mercado editorial nos Açores tem crescido muito, com as pessoas a terem cada vez mais coragem de entregar os seus livros para análise e posterior publicação. Há muito talento nos Açores e a nossa editora tem investido cada vez mais nesta área, exatamente por isso: para levar mais longe quem escreve e quem quer partilhar o que sabe, o que sente e o que pensa: sempre através dos livros.

 

A livraria auxilia os escritores a editarem os seus livros? Mesmo os mais inexperientes?

A nossa gráfica, a Nova Gráfica, imprime os livros de qualquer pessoa, tratando-se nestes casos de edições de autor. Isto significa que as pessoas são totalmente responsáveis pelos custos da sua edição e por aquilo que estão a escrever e a publicar, sendo a nossa função apenas imprimir os livros. Por outro lado, as edições da nossa editora já são pensadas e analisadas com a Direção Editorial e o próprio autor. Por isso, e respondendo à sua pergunta, ajudamos os escritores a editar os seus livros, seja na vertente de edição de autor ou de edição das Letras Lavadas.

 

Pode-se dizer que ler é um hábito açoriano?

Sim, talvez porque a nossa condição de ilhéu nos faça mais isolados e mais resgatados: até de nós próprios!

 

Na livraria é possível comprar outros produtos locais?

Na nossa loja vendemos também compotas, geleias e licores – todos produtos regionais, como forma de promover também aquilo que é produzido na nossa terra, como a nossa fruta e a nossa mão-de-obra. Temos sabores como pimenta vermelha da terra, abóbora, batata doce, mel, entre outros. Em breve, teremos também produtos de outras espécies, mas sempre com um foco especial no que se faz por cá. Temos igualmente produtos e publicações do Centro Regional do Apoio ao Artesanato dos Açores e da Direção Regional da Cultura.

 

Quem são os donos da empresa?

Tudo começou quando o sonhador Ernesto Resendes, com 27 anos, resolveu que queria abrir a sua empresa. A partir daí, o sonho deste homem não para e por este caminho fora tem conseguido conquistar muito nos Açores e não só, criando uma equipa multidisciplinar e interessada que percebe que trabalha diariamente para a evolução e a revolução nos Açores. Juntamente com os seus filhos, Bruna Resendes e Milton Resendes, o Ernesto tem sido um inspirador dos livros para toda a sua equipa e para toda a região.

 

Qual é a diferença entre Publiçor e Livraria Letras Lavadas?

A Livraria Letras Lavadas surgiu da criação da chancela literária com o mesmo nome, sendo também um sonho antigo de Ernesto Resendes, o proprietário e o primeiro protagonista de todo este projeto. Já a Publiçor, Lda. é uma empresa que está na responsabilidade de Ernesto Resendes desde 2007 e que se dedica principalmente a edições relacionadas com o turismo e com o desenvolvimento local nos Açores.

 

Onde está localizada a livraria?

Está situada no Largo da Matriz, em Ponta Delgada, tendo iniciado a sua atividade a 22/07/2019.

 

Fazem vendas on-line?

Temos uma loja on-line sedeada em www.letraslavadas.pt, através da qual todas as pessoas – em qualquer parte do mundo – podem adquirir as nossas edições.

 

Entregam livros em outras ilhas?

Sim, temos parceiros de venda em todas ilhas dos Açores, sendo certo que também temos distribuição em Portugal continental e no estrangeiro.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo