Investigadores testam aplicação de óleos essenciais para eliminar e prevenir o crescimento de microalgas em monumentos

Um grupo de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em colaboração com Michal Komar, estudante da Lodz University of Technology, estão a testar os efeitos da aplicação de vários óleos essenciais para eliminar e prevenir o crescimento de microalgas terrestres, frequentemente, encontradas em fachadas de edifícios e monumentos.

Até ao momento, Michal Komar, a realizar Erasmus no Departamento de Ciências da Vida (DCV) da FCTUC, já testou sete substâncias diferentes, nomeadamente cinco óleos essenciais e dois compostos ativos puros contra biofilme verde, principalmente constituído por microalgas terrestres.

Esta investigação, intitulada “Biodeterioration of building materials by aerophytic algae”, «pretende desenvolver metodologias que possam ser aplicadas para prevenir o crescimento e eliminar organismos de bio deterioração em fachadas monumentais, utilizando substâncias ecologicamente seguras», explica o estudante.

De acordo com Nuno Mesquita, investigador do DCV e orientador do aluno polaco durante a sua estadia em Coimbra, as microalgas terrestres, além de provocarem danos estéticos e até estruturais nos monumentos, devido ao crescimento por vezes endolítico, podem ainda servir de suporte e alimento para outros organismos, como por exemplo os microfungos.

«A criação de biofilmes promove o estabelecimento de diversas comunidades de outros organismos, como microfungos, que posteriormente danificam os edifícios de forma grave, causando danos físicos e até químicos. As algas são colonizadores primários, o que significa que se prevenirmos o seu crescimento ou as eliminarmos, conseguimos prevenir colonizações subsequentes e assim evitar a deterioração dos monumentos/edifícios», acredita o investigador.

Neste sentido, «foram realizados vários testes com diferentes óleos essenciais, em placas de cultura e em amostras de materiais como tijolos vermelhos (constituídos por argila, carbonato de cálcio e areia). Os biofilmes formados e tratados serão submetidos à análise do seu perfil metabolómico, para avaliar as diferentes respostas a esses fatores de stress, em termos de presença e abundância de compostos orgânicos», esclarece Michal Komar.

«Os resultados obtidos são promissores e surpreendentes. Curiosamente, nem todos os óleos utilizados que impedem o crescimento das algas são os mesmos que permitem a sua eliminação. O próximo passo é repetir estes testes diretamente em diferentes tipos de pedra», concluem.

Universidade de Coimbra

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Portugal: Primeiro-ministro aprova Palestina como membro pleno da ONU

Portugal: Primeiro-ministro aprova Palestina como membro pleno da ONU

O primeiro-ministro de Portugal, Luís Montenegro, afirmou que vê “com bons olhos” o facto de a Palestina vir a adquirir…
Moçambique: Naparamas abatem dez terroristas em Macomia

Moçambique: Naparamas abatem dez terroristas em Macomia

A força paramilitar Naparamas anunciou, ontem, ter morto pelo menos 10 insurgentes durante uma invasão a um esconderijo do grupo,…
Cabo Verde já pagou 400 mil contos em contribuições a organizações internacionais

Cabo Verde já pagou 400 mil contos em contribuições a organizações internacionais

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Rui Figueiredo Soares, partilhou no Parlamento que, entre 2021 e 2023, o…
Moçambique: Administração Nacional de Estradas precisa de 690 milhões de meticais para reconstruir estradas

Moçambique: Administração Nacional de Estradas precisa de 690 milhões de meticais para reconstruir estradas

Nurbina Noormahomed, delegada da Administração Nacional de Estradas (ANE), informou, esta sexta-feira, que a ANE necessita de 690 milhões de…