Brasil: Cerca de metade da população acredita que a vacina contra a covid-19 “não deve ser obrigatória”

Uma sondagem realizada no Brasil nos últimos meses mostrou que 46,8% da população brasileira acredita que a vacina contra à Covid-19 “não deve ser obrigatória”. Segundo os responsáveis pela pesquisa, este resultado mostra que existe “uma visão negacionista ou de desinformação de uma parcela expressiva da população brasileira em relação à covid-19” e que a opinião apresentada pelos participantes “contraria estudos epidemiológicos e de eficácia da vacinação em massa para combater a propagação e mutação do vírus”. Este levantamento aponta também que 30,4% dos entrevistados ainda “consideram a vacina experimental e que 35% acreditam na eficácia da cloroquina (hidroxicloroquina)”.

A pesquisa foi realizada pelo “Sou_Ciência”, grupo de pesquisa multidisciplinar vinculado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em parceria com o Instituto de Pesquisa Ideia BigData, no dia 9 de novembro. Foram ouvidos 1.200 entrevistados, entre homens e mulheres residentes em todas as regiões do Brasil, com idade igual ou superior a 16 anos, de diferentes escolaridades, raça/cor, renda e classe social. O grau de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 2.85%, para mais ou para menos.

“Num levantamento de outubro de 2021, havíamos detetado uma ampla adesão da população às vacinas contra a covid-19, com 95% da população se posicionando a favor. Isso se concretizou durante o ano de 2021 e parte de 2022, quando a maior parte da população completou o esquema vacinal básico [sem as doses de reforço]. Agora, a sociedade encontra-se dividida sobre a responsabilidade coletiva no processo de imunização e sobre a eficácia da vacina”, afirmou a coordenadora geral do “Sou_Ciência”, Soraya Smaili.

“Estes dados são bastante preocupantes, pois mostram um avanço da desinformação, muito relacionada ao comportamento dos governantes e à falta de uma política de Estado para a vacinação. Tudo isso contribui para uma falsa impressão de que a pandemia acabou e que não temos mais que nos preocupar”, acrescentou Smaili. Professora e pesquisadora do Departamento de Farmacologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, Smaili foi reitora da Unifesp no período de 2013-2021. Recentemente, a Unifesp recebeu o CAPES Elsevier como a universidade que mais contribuiu para as pesquisas sobre a covid-19.

Na avaliação de Smaili, o próximo governo terá que atuar em várias frentes para reverter o avanço da pandemia. Além de resgatar o trabalho de controlo epidemiológico e tomar pé da quantidade de vacinas disponíveis, será preciso reconstruir o Programa Nacional de Imunizações, retomar a testagem em massa, investir em tratamentos antivirais (muito caros atualmente) e na compra de vacinas bivalentes, que propiciam proteção contra a Ômicron e as suas variantes. Além disso, é fundamental que o governo brasileiro aumente os investimentos em ciência e no desenvolvimento de novos fármacos, vacinas e nos tratamentos.

“Uma grande campanha de conscientização, aliada às medidas de apoio à ciência e à divulgação científica, orquestrada com gestores municipais e estaduais, será vital para conscientizar e fazer com que a população volte a se vacinar”, ressaltou Smaili, que mencionou também que “o Brasil sabe como fazer isso. Temos um dos maiores e melhores programas de vacinação do mundo. O que falta é uma política de estado séria, capaz de conter a propagação do vírus e colocar o número de casos da doença e de mortes em níveis aceitáveis, a exemplo do que vários outros países conseguiram”.

Ígor Lopes

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Rússia convoca encontro do Conselho de Segurança da ONU

Rússia convoca encontro do Conselho de Segurança da ONU

O representante permanente da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU), Dimitri Polianski, anunciou que o Conselho de Segurança da…
Frente Polisário inicia XVI Congresso propondo uma escalada da luta armada e diplomática

Frente Polisário inicia XVI Congresso propondo uma escalada da luta armada e diplomática

Mais de dois mil congressistas vão participar de 13 a 17 de Janeiro no XVI Congresso da Frente Polisário que…
Brasil: Em seis anos, Grande Rio soma mil vítimas de balas perdidas

Brasil: Em seis anos, Grande Rio soma mil vítimas de balas perdidas

De acordo com dados avançados pelo Instituto Fogo Cruzado, no Brasil, que monitoriza a troca de tiros em várias localidades…
Mulheres brasileiras lideram ranking de mães internacionais em Portugal

Mulheres brasileiras lideram ranking de mães internacionais em Portugal

As autoridades portuguesas afirmam que a maior comunidade estrangeira no país é a brasileira, o que faz também com que…