Homem cego recupera parte da visão com a ajuda de proteínas de algas

Um homem cego que recebeu um gene de uma proteína de alga sensível à luz pode agora ver e tocar objetos com a ajuda de óculos especiais, relataram investigadores da Universidade da Pensilvânia.

Os ganhos de visão são modestos, o paciente não consegue ver cores ou discernir rostos ou letras. Mas se o tratamento ajudar outros participantes do estudo, pode oferecer vantagens sobre outras tecnologias de visão para pessoas gravemente cegas.

Para os neurocientistas o resultado é um marco: o primeiro relatório publicado do uso de uma tecnologia relativamente nova chamada optogenética para tratar uma doença em pessoas.

A optogenética usa luz para controlar os neurónios. Os cientistas adicionaram o gene de uma proteína sensível à luz chamado um opsina a partir de algas ou de bactérias e, em seguida, uma luz sobre a célula para desencadear a alteração da forma, o que muda o neurónio.

Desde que foi desenvolvida há quase 20 anos, a optogenética tem sido usada principalmente como uma ferramenta para estudar os circuitos cerebrais em animais. Mas os investigadores esperam vir um dia a tratar doenças como Parkinson e cegueira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

Ucrânia: Presidente assina pedido de adesão à União Europeia

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pedido formal de adesão à União Europeia…
Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

Ucrânia: Ataque russo em Kharkiv causa 11 mortes

O Governo ucraniano afirmou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que morreram 11 pessoas e centenas ficaram feridas durante um ataque russo…
Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

Angola: Cidadãos angolanos fogem da Ucrânia

A maioria dos angolanos que viviam em Kharkiv, segunda maior cidade da Ucrânia, decidiu abandonar o local no sábado, 26…
Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

Guerra na Ucrânia causa 422 mil refugiados

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) partilhou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, que já são mais…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin