Helena Moreira (esquerda) e Inês Trindade (direita)

Novo programa psicoterapêutico reduz o sofrimento de mulheres com cancro da mama

Um programa de intervenção psicológica para contexto oncológico, desenvolvido na Universidade de Coimbra (UC), mostrou ser eficaz na diminuição do sofrimento de mulheres com cancro da mama.

O programa, batizado de “Mind”, combina técnicas de mindfulness (atenção plena), aceitação e compaixão, tendo como objetivo promover uma autogestão emocional mais eficaz e, assim, melhorar o funcionamento psicossocial e qualidade de vida de doentes com cancro.

Num estudo-piloto realizado com um grupo de mulheres com cancro da mama em tratamento no Serviço de Radioterapia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), o programa Mind teve um efeito notável na melhoria da saúde psicológica das participantes.

A amostra foi constituída por 32 mulheres, distribuídas por dois grupos – um grupo experimental e um grupo de controlo (doentes que não realizaram a intervenção). No final das oito sessões previstas no programa Mind, com a duração de aproximadamente duas horas cada, «a saúde psicológica das mulheres com cancro da mama que realizaram a intervenção melhorou significativamente em comparação ao grupo de mulheres que não realizou o programa (grupo de controlo)», assinala Inês Trindade, autora do estudo.

Foram também notadas melhorias na saúde física e qualidade das relações sociais e diminuição de sintomas de depressão e stresse. Além disso, as mulheres do grupo experimental relataram que o programa é muito útil para lidarem melhor tanto com a doença como com outras áreas de vida. Estes resultados, já publicados no Journal of Contextual Behavioral Science, sugerem que «o programa Mind pode ser um complemento muito útil ao tratamento médico do cancro da mama, ajudando a melhorar a qualidade de vida e a saúde mental dessa população», afirma a investigadora. O cancro da mama é o segundo cancro mais comum e o mais frequente em mulheres.

Agora, com o objetivo de otimizar o programa Mind, Inês Trindade, em conjunto com Helena Moreira, vai conduzir um novo estudo, com um maior número de participantes. Para tal, acaba de obter 245 mil euros de financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Brasil: Turismo cresceu 12% em relação a 2020 no país

Brasil: Turismo cresceu 12% em relação a 2020 no país

O turismo nacional brasileiro faturou R$ 152,4 mil milhões em 2021, de acordo com levantamento do Conselho de Turismo (CT)…
Revista de Imprensa Lusófona de 02 de março de 2022

Revista de Imprensa Lusófona de 02 de março de 2022

“Sissoco manifesta interesse da Guiné-Bissau para mediar conflito entre a Rússia e Ucrânia” e “Juventude de partidos políticos conjuga sinergias…
Moçambique: Renamo comenta "invenção da Frelimo" sobre Junta Militar

Moçambique: Renamo comenta "invenção da Frelimo" sobre Junta Militar

O secretário-geral da Renamo, André Mangibire, afirmou à “STV” que duvida da existência de um novo líder da Junta Militar…
Timor-Leste: Candidatos presidenciais assinam pacto da unidade nacional

Timor-Leste: Candidatos presidenciais assinam pacto da unidade nacional

A maioria dos candidatos presidenciais assinou nesta segunda-feira, 28 de fevereiro, o pacto da unidade nacional. O objetivo é assegurar a…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin