Medicina, Saúde e Alimentação

Parasitas da malária “escondem-se” em humanos quando não é a estação dos mosquitos

Os parasitas da malária sobrevivem à estação seca sem mosquitos, esperando silenciosamente em humanos pelo retorno da estação das chuvas.  Uma nova investigação, publicada na Nature Medicine, ajuda a explicar como o parasita Plasmodium falciparum sobrevive à interrupção do seu ciclo de vida, que requer o seu desenvolvimento dentro de um mosquito hospedeiro para passar à transmissão entre pessoas.

“Um dos grandes mistérios no estudo da malária”, refere Manuel Llinás, autor do artigo, “é entender como os parasitas da malária sobrevivem durante a estação seca, que não tem mosquitos para transmissão entre pessoas.”

Os parasitas da malária, que afetam centenas de milhões de pessoas em todo o mundo e matam cerca de 300.000 crianças em África por ano, espalham-se entre os humanos através da picada de mosquitos infetados. No entanto, em muitas áreas onde a malária é endémica uma estação seca extrema elimina todos mosquitos de modo que a transmissão da malária é interrompida por vários meses a cada ano.

Os investigadores descobriram que estas áreas os parasitas da malária continuam a existir nas pessoas infetadas que se encontram assintomáticas e que continuam o seu ciclo de vida na estação chuvosa seguinte, quando os mosquitos voltam.

A equipa de investigação, liderada por Silvia Portugal do Hospital Universitário de Heidelberg, acompanhou cerca de 600 pessoas, no Mali, com idades entre três meses e 45 anos ao longo de vários ciclos anuais de estações secas e chuvosas. Comparando amostras de sangue de pessoas com malária com pessoas não infetadas, os investigadores concluíram que os parasitas da estação seca não estavam a ativar a imunidade do hospedeiro.

Segundo os investigadores, os parasitas da malária persistem no homem durante os meses secos em níveis baixos que não colocam em risco a saúde do hospedeiro, garantindo a sobrevivência até à próxima estação chuvosa, quando a transmissão pode ser retomada.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo