Cultura | Vida

MOTELX – 13.ª Edição do Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa

(c) MOTELX

A 13.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror terminou este domingo, depois de seis dias de exibição com milhares de espectadores no Cinema São Jorge. Em ano de 13, o público decidiu contrariar qualquer superstição, esgotando o maior número de sempre de sessões.

“Erva Daninha” retrata a história de um casal que cultiva um terreno aparentemente infértil e que um dia encontra na terra uma semente negra que virá a crescer e influenciar os seus comportamentos. Esta é a segunda vez que o realizador Guilherme Daniel ganha este prémio, depois de em 2018 ter vencido com “A Estranha Casa na Bruma”. O júri decidiu ainda atribuir uma Menção Especial a “Häuschen – A Herança”, de Paulo A. M. Oliveira e Pedro Martins, “uma versão moderna do clássico conto de fadas negro” que considerou “muito forte em todos os sentidos”, mas em particular pelo seu “final bem conseguido, construído de maneira a ser simultaneamente perturbador e satisfatório para o público”.

O Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa/Méliès d’Argent, no valor de 5000€, é o maior prémio para curtas-metragens em Portugal. Desde a sua criação em 2009 já foram exibidos no Festival mais de uma centena de filmes de terror portugueses em estreia mundial, cumprindo um dos principais objectivos do MOTELX: o incentivo à produção nacional de cinema de terror. “Erva Daninha” fica automaticamente seleccionada para o Prémio Méliès d’Or, que será atribuído pela Federação Europeia de Festivais de Cinema Fantástico numa cerimónia em Sitges no próximo dia 6 de Outubro.

Na competição internacional, “Why Don’t You Just Die!”, de Kirill Sokolov, venceu o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia / Méliès d’Argent 2019. Uma “decisão difícil” que o júri composto por David Gregory, Miguel Gonçalves Mendes e Rita Anjos justificou pela “grande frescura e audácia” do filme, que se destaca pelos seus “múltiplos twists e humor negro”. “Why Don’t You Just Die!” é a primeira longa-metragem do realizador russo de 29 anos e tem feito sucesso no circuito internacional de festivais, recebendo no MOTELX a sua estreia portuguesa (como todos os filmes da competição). Um jogo frenético de gato e rato entre um detective e “pior pai do Mundo”, uma filha ressentida, o seu namorado, um polícia enganado e um bandido enraivecido que é também um comentário cáustico sobre as contradições da sociedade moderna russa. O júri atribuiu ainda uma Menção Especial a “The Hole in the Ground”, do irlandês Lee Cronin, pela “precisão e controlo da atmosfera de suspense” e por “interpretações excepcionais”.

 A competição de longas-metragens europeias foi inaugurada em 2016 e teve este ano oito filmes a concurso. “Why Don’t You Just Die!” sucede ao alemão “Hagazussa: A Heathen’s Curse” (Lukas Feigelfeld) e fica nomeado para o Prémio Méliès d’Or, à semelhança da curta “Erva Daninha”.

“Midsommar”, um dos filmes de terror mais aguardados do ano, foi o grande vencedor do Prémio do Público, sendo o escolhido entre os 26 filmes da secção Serviço de Quarto. O realizador Ari Aster, convidado especial desta 13.ª edição do MOTELX, apresentou a antestreia nacional do filme, que chega às salas no dia 26 de Setembro.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo