Empresa israelita de spyware adicionada à lista negra de comércio dos EUA

A Grupo NSO, empresa israelita responsável pelo polémico spyware Pegasus, foi adicionada a uma lista negra comercial dos Estados Unidos.

O programa Pegasus foi supostamente usado por países para atingir telefones de ativistas de direitos humanos e jornalistas. Os Estados Unidos colocaram agora o seu criador, o Grupo NSO, na “lista de entidades” com as quais é proibido fazer negociações comerciais.

O Grupo NSO disse estar “consternado” com a decisão, acrescentando que a sua tecnologia ajudou a manter a segurança nacional dos Estados Unidos ao “prevenir o terrorismo e o crime”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin