Empresa israelita de spyware adicionada à lista negra de comércio dos EUA

A Grupo NSO, empresa israelita responsável pelo polémico spyware Pegasus, foi adicionada a uma lista negra comercial dos Estados Unidos.

O programa Pegasus foi supostamente usado por países para atingir telefones de ativistas de direitos humanos e jornalistas. Os Estados Unidos colocaram agora o seu criador, o Grupo NSO, na “lista de entidades” com as quais é proibido fazer negociações comerciais.

O Grupo NSO disse estar “consternado” com a decisão, acrescentando que a sua tecnologia ajudou a manter a segurança nacional dos Estados Unidos ao “prevenir o terrorismo e o crime”.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Angola: Tribunal Constitucional extingue APN e líder recorre

Angola: Tribunal Constitucional extingue APN e líder recorre

O Tribunal Constitucional de Angola extinguiu o partido político Aliança Patriótica Nacional (APN), através de uma carta de solicitação da…
Moçambique: MDM garante que "jamais fará oposição à oposição"

Moçambique: MDM garante que "jamais fará oposição à oposição"

O MDM declarou em conferência de imprensa que está aberto à ideia de fazer uma coligação com os restantes partidos…
Moçambique: Professor e agente da FADM detidos por envolvimento no tráfico de drogas

Moçambique: Professor e agente da FADM detidos por envolvimento no tráfico de drogas

A Polícia da República de Moçambique (PRM) deteve na última semana duas pessoas, Distrito de Namacurra, na província da Zambézia,…
Brasil: atentado a escolas deixa quatro mortos e 13 feridos

Brasil: atentado a escolas deixa quatro mortos e 13 feridos

O estado do Espírito Santo, no Brasil, viu duas das suas escolas serem alvo de atentados, no último dia 25…