Tecnologia

Tráfico de mulheres nas redes sociais aumenta durante a pandemia de Covid-19

redes sociais; facebook

O Comité para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres (CEDAW) pediu às plataformas de redes sociais que usem big data e inteligência artificial para ajudar a eliminar o tráfico de mulheres e meninas, perante um aumento nas armadilhas online destinadas a recrutar potenciais vítimas durante a pandemia de Covid-19.

De acordo com a CEDAW, mulheres e meninas continuam a ser as vítimas mais comuns do tráfico em todo o mundo.

“A pandemia global revelou a necessidade urgente de abordar o uso da tecnologia digital no e contra o tráfico”, disse Dalia Leinarte, membro do comité, que liderou a redação das recomendações do painel. “Combater o tráfico também é desestimular a procura”, acrescentou.

Os responsáveis pelas redes de tráfico desfrutam de uma impunidade generalizada, apesar das leis e políticas nacionais e internacionais destinadas a enfrentar o problema, aponta o painel.

Insistindo que a pandemia do coronavírus piorou a situação para as vítimas, o comité com sede em Genebra disse que os países viram um aumento global no “tráfico no ciberespaço” nos últimos meses.

O painel de especialistas independentes em direitos nomeados pela ONU também alertou contra o aumento do recrutamento de pessoas vulneráveis ​​por traficantes para exploração sexual online, juntamente com “uma maior procura por material de abuso sexual infantil e tráfico sexual infantil facilitado pela tecnologia”.

Num apelo às redes sociais e empresas de mensagens, a CEDAW recomendou que estabeleçam controlos relevantes para reduzir o risco de expor mulheres e meninas ao tráfico e exploração sexual.

Big data, inteligência artificial e análises

O comité instou as plataformas online a usarem os seus “big data, inteligência artificial e análises para identificar qualquer padrão que possa levar ao tráfico e à identificação das partes envolvidas” que participam de operações ilegais.

As empresas online também devem “implementar a estrutura de gestão e os procedimentos apropriados que lhes permitirão ser reativos nas suas respostas e fornecer o nível relevante de informações às autoridades envolvidas”, disse o painel da ONU.

Dirigindo-se aos governos, a CEDAW instou os Estados a abordar as causas profundas que empurram mulheres e meninas para situações de vulnerabilidade.

A discriminação com base no sexo foi um fator fundamental para isso, disse o painel, juntamente com as injustiças socioeconómicas nos países de origem das vítimas que as forçaram a sair, juntamente com conflitos e emergências humanitárias.

Entre as suas outras recomendações, o Comité apelou a políticas para promover a autonomia das mulheres e a igualdade de acesso à educação e oportunidades de trabalho.

Também pediu uma estrutura de migração segura para proteger mulheres e meninas, ao mesmo tempo em que pediu proteção e assistência abrangente para mulheres deslocadas e meninas afetadas por conflitos e emergências.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo