Cabo Verde precisa de “um Presidente para este novo tempo”, afirma José Maria Neves

Para José Maria Neves Cabo Verde encontra-se num momento difícil, por causa da pandemia e por isso “é necessário mobilizar toda a nação, mobilizar parcerias para reconstruir o país no pós-pandemia, precisamos de um presidente com prestígio, com capacidade para trazer essas parcerias e apoiar o Governo e as autoridades locais, as empresas no processo de reconstrução para a retoma da economia e recriação de empregos, para o combate á pobreza e às desigualdades”, relata em entrevista à E-Global.

O candidato às eleições presidenciais de Cabo Verde, José Maria Neves, afirma que o país necessita urgentemente de “acelerar o passo se quisermos atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável no horizonte de 2030, para fazer as coisas com mais eficiência, mais eficácia e mais sofisticação. E precisamos de um presidente capaz de catalisar este processo, um presidente para este novo tempo, e penso reunir as condições para exercer esta presidência adequada aos desafios deste século 21”.

É de referir que José Maria Neves, que nasceu em Santa Catarina de Santiago, já foi Presidente Câmara, deputado, dirigente político, ministro e Primeiro-Ministro.

Neves diz que “é preciso unir o país, precisamos de todas as capacidades, todas as competências de todas as ilhas, e da diáspora para o desenvolvimento de Cabo Verde”, por isso como se faz “em todos os momentos especiais de nossas vidas, nós juntamos as mãos para a sementeira para a colheita, para construir uma casa, para a independência, para a democracia, para o desenvolvimento de Cabo Verde, e isso é um novo momento muito desafiante e difícil para Cabo Verde, precisamos juntar as mãos de novo para fazer fase ao pós-pandemia, e acelerar o ritmo de transformação e desenvolvimento de Cabo Verde”, argumenta o candidato.

O candidato deixa um concelho ainda para os cabo-verdianos, pois “as próximas eleições exigem inteligência de cada um de nós, para podermos votar certo e votar considerando os desafios que temos pela frente considerando as gerações futuras”.

“A primeira prioridade após as eleições será a conclusão do processo de vacinação, estimular toda a sociedade para que se vacine e depois a reconstrução do país nos pós-pandemia, a união de todos os cabo-verdianos, é importante darmos de novos as mãos, para aceleramos o ritmo de desenvolvimento de Cabo Verde”, conclui José Maria Neves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin