Natália de Oliveira, deputada eleita pelo círculo da Europa: “A vontade de votar por parte dos portugueses afirmou-se de forma límpida”

Natália Teixeira de Oliveira foi o segundo nome do Partido Socialista (PS) eleito pelo círculo da Europa. Nasceu em França registada como Nathalie de Oliveira, mas registada, também, no consulado português como o nome indicado acima.

Aos 44 anos de idade, Natália, ou Nathalie, de Oliveira vive em Metz, tem origens em Celorico de Basto, Portugal. Conta com familiares também no Porto, em Viana do Castelo e em Braga. Conversamos com esta deputada para entender que ações pretende realizar e que força terá agora o PS no tratamento dos destinos das comunidades portuguesas espalhadas pelo Europa.

É a sua primeira eleição?

Não, a minha primeira eleição data de 2008 na Câmara de Metz. Já fui candidata a várias eleições em França, em Portugal também, aliás, nas últimas eleições legislativas de Portugal em 2019.

Onde reside?

Na cidade de Metz, cidade fronteiriça com a Bélgica, o Luxemburgo e a Alemanha, no Leste de França.

Como vê o resultado destas eleições?

A vontade de votar por parte dos portugueses afirmou-se de forma límpida. Na verdade, o prazo para votar tornou-se curto, muito curto no contexto ansiogénico da repetição da eleição. E, apesar de serem menos votantes e ainda demasiado votos nulos, por causa da ausência da cópia do cartão de cidadão, os portugueses do Círculo da Europa votaram muito e votaram bem!

De facto, o PS conseguiu uma votação histórica para conseguir vencer os dois assentos parlamentares, o que não tinha acontecido há mais de duas décadas. Um resultado inesperado! Agora é honrar esta esperança e esta confiança.

A que atribui a eleição de dois nomes do PS para defenderem os interesses da comunidade portuguesa na Europa?

Acredito que os eleitores castigaram quem provocou a anulação de 80% dos seus votos, castigaram o PSD que perdeu muitos votos nesta “segunda volta.” Porém, também votaram no projeto do PS para as Comunidades, votaram para a conquista de mais reconhecimento, de mais direitos.

Dois deputados socialistas não vão ser demais para continuar a avançar no que diz respeito à alteração da lei eleitoral, ao reforço da rede consular, entre outras prioridades.

Qual será o seu papel ao lado do também eleito deputado Paulo Pisco?

Fui eleita deputada. Ambos seremos as duas vozes dos portugueses da Europa inteira. O nosso dever é apresentar iniciativas legislativas no sentido de garantir mais direitos aos nossos compatriotas da Europa. No sentido de seguir juntos e de conseguir progressos significativos para todos, é “escrever” a lei com eles.

Sempre fiz política com a maior proximidade possível. Gosto da ideia de iniciar debates sobre assuntos de maior importância e recolher as suas opiniões e ideias cada vez que estiver junto deles pela Europa fora.

Que trabalhos pretende desenvolver junta das comunidades portuguesas na Europa?

Continuar os trabalhos em curso que são compromissos para cumprir e defendidos nas dez prioridades do nosso programa eleitoral. Palavra dada tem que ser honrada. Como sabe, a melhor forma de fazer política é junto das pessoas!

Que ações e iniciativas irá priorizar?

A prioridade das prioridades é a alteração da lei eleitoral. Apesar de termos dado grandes passos (bem-haja ao PS) com o recenseamento eleitoral, com a desmaterialização dos cadernos eleitorais, com a introdução do voto por correspondência, cabe no porvir melhorar as modalidades de voto e por que não defender a possibilidade do voto remoto eletrónico? Cabe desistir da cópia do cartão de cidadão e também harmonizar as modalidades de voto para todas as eleições.

Quem é Nathalie Oliveira?

Nathalie de Oliveira nasceu aos 16 de novembro de 1977, de dupla nacionalidade portuguesa e francesa, estudou o Direito das Organizações Internacionais, na Sorbonne, antes de servir a UNESCO e as instituições europeias, nomeadamente a Comissão Europeia durante anos.

É autora de várias contribuições para a Fundação Jean Jaurès, próxima do PS Francês, e escreve para fundações políticas, para Think Tanks servindo o Ideal Europeu, conferencista sobre a Europa, a sua história, as suas instituições e o seu futuro, nas horas mais livres.

Nathalie De Oliveira honrou várias funções políticas: Adjunta ao Presidente da Câmara de Metz de 2008 até 2020 (vereadora). O seu empenho valeu à cidade numerosos prémios nacionais (Prémio Marianne) e europeus, como o Prémio ELOGE, do Conselho da Europa, recompensando a excelência da governação da cidade e o seu mérito em termos de participação democrática, entre muitas outras ações.

Por fim, que mensagem deixa para os lusodescendentes e portugueses?

Ser lusodescente significa ser português. Que sejam ambas coisas, que sejam tudo. Porque “ser português é ser tudo”, escrevia Fernando Pessoa.

Ígor Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

Angola: Reintegrados mais de 500 ex-militares em ações contra fome e pobreza

A vice-governadora provincial para o setor Político, Social e Económico de Benguela, Lídia Amaro, afirmou que 593 ex-militares foram reintegrados…
Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

Banco Mundial indica crescimento de 4,1% para Timor-Leste

O Banco Mundial prevê que Timor-Leste registe um crescimento económico de 4,1% em 2024 e 2025, através do alívio das…
UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

UE doa 50 milhões de euros à ONU para refugiados palestinianos

A União Europeia (UE) anunciou o envio da próxima parcela de 50 milhões de euros para a Agência das Nações…
Angola: Cinco bailarinos cabo-verdianos participam na Mostra de Artistas – PROCULTURA

Angola: Cinco bailarinos cabo-verdianos participam na Mostra de Artistas – PROCULTURA

Os bailarinos Mano Preto, Rosy Timas, Elisabete Fernandes, Djamilson Barreto e Djam Neguin estão selecionados para participar no “Concurso para…