15 anos após a morte de Jonas Savimbi família ainda reclama bens

Passam hoje 15 anos da data em que morreu Jonas Savimbi, na altura com 67 anos de idade. A família continua até aos dias de hoje a reclamar por um “Funeral Digno” para o líder histórico da UNITA. Por sua vez a UNITA reclama também ao governo e ao MPLA um património de milhões de dólares que lhe é devido.

O porta-voz da UNITA Alcides Sakala disse em declarações à imprensa que o partido luta desde o desaparecimento do líder histórico pela herança que continua “bloqueada” pela ignorância de quem tem poder de decisão na resolução dos casos que estão pendentes, referindo que até hoje 15 anos depois da morte de Jonas Savimbi muito pouco foi devolvido.

Alcides Sakala reclama que o património deixado por Jonas Savimbi está avaliado em milhões de dólares, com um extenso espólio sendo detentores de vários edifícios localizados não só em Luanda mas em toda a Angola, como é o caso da “Casa Branca”, como é conhecida habitação que pertenceu a Jonas Savimbi no Huambo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Angola mantém aposta na diplomacia económica

Angola mantém aposta na diplomacia económica

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, reiterou a aposta do Governo na promoção da diplomacia económica. O…
Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra ganha pela segunda vez concurso ERC

A Investigadora Principal do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-UC), Ana Cristina Santos, acaba de ganhar um…
Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

Cabo Verde: PR propõe fundos para autonomia dos municípios

O Presidente da República de Cabo Verde, José Maria Neves, propõe a criação de um Fundo de Desenvolvimento Local e…
Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

O chefe da missão de observação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais em Timor-Leste, o…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin