Angola | Economia

S&P baixa “rating” com dívida pública nos 50% do PIB

A agência de notação financeira Standard & Poor’s desceu o rating da dívida soberana de Angola de ‘B+’ para ‘B’ devido à descida do preço do petróleo e à dependência destas exportações, levando ao aumento do endividamento do país.

Em comunicado, que assume ainda uma perspetiva de evolução “estável” do ‘rating’, a agência justifica a decisão com os preços do barril de petróleo no mercado internacional “mais baixos do que o esperado” nas previsões 2016-2019. “Adicionalmente, os empréstimos internos e externos do Estado, juntamente com uma taxa de câmbio fraca, tem elevado o peso da dívida pública e esperamos que a dívida bruta de Angola atinja os 50% do PIB (Produto Interno Bruto) este ano”, lê-se no comunicado

A Standard & Poor’s justifica a perspetiva de evolução “estável” com a previsão de uma descida gradual do défice angolano, reduzindo assim os riscos ao financiamento externo, e tendo também em conta a resposta do governo à crise, para evitar a deterioração da situação fiscal e da dívida.

A agência avisou que o governo angolano vai precisar de 31 mil milhões de dólares este ano e em 2017 para as suas necessidades financeiras, das quais cerca de metade de curto prazo, e decidiu por isso baixar o “rating” da sua divida de B+  para B.

Ainda assim, a agência avisa: “A deterioração no ambiente político ou institucional angolano pode resultar numa descida”.

No mesmo comunicado, a Standard & Poor’s prevê um crescimento de 3,3% do PIB angolano em 2016 e uma dívida pública anual a rondar os 7% até 2019, a financiar com recurso, nomeadamente, a empréstimos externos.

Os analistas daquela agência notam ainda que com a entrada em produção de novos blocos, a produção de petróleo no país poderá atingir em 2016 os 1,9 milhões de barris por dia, dependendo da disponibilidade das operadoras para manter o nível de investimento, tendo em conta os preços atuais.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África subsariana, tendo atingido os 1,8 milhões de barris por dia em 2015, mas está há mais de um ano mergulhada numa crise financeira, económica e cambial, face à redução para metade das receitas com a exportação petrolífera com a quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, sendo o recurso à emissão de dívida em moeda estrangeira uma forma de também aumentar as reservas de divisas, necessárias para garantir as importações. Para compensar a quebra com estas receitas fiscais, superior a 50% só em 2015, o Governo angolano tem aumentado o nível do endividamento, embora com taxas mais altas.

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo