Angola: Ameaça de mais protestos se manifestantes continuarem detidos

O Governo angolano anunciou que mais de 100 participantes da manifestação de sábado, 24 de outubro, contra o alto custo de vida e o adiamento das autarquias em Angola, iriam ser levados a julgamento sumário. Recorde-se que o protesto foi convocado pela sociedade civil, tendo contado com a participação de forças da oposição, como a UNITA. 

O secretário de Estado do Interior para o Asseguramento Técnico, Salvador Rodrigues, declarou que os cidadãos terão então que explicar ao juiz as razões que os obrigaram a “desobedecer” às autoridades. 

“Não entendemos como é que dirigentes de um partido se envolvem na manifestação que acaba em arruaça e desacato às autoridades. Não me parece que seja de urbano este comportamento. Diante do tribunal a que serão submetidos, teremos mais elementos para saber o quê que os animou”, observou. 

No entanto, o Movimento Jovens pelas Autarquias – que convocou a manifestação em Luanda no fim de semana – ameaçou voltar às ruas se houvesse julgamento dos manifestantes detidos. Entre os presos encontram-se jornalistas e integrantes do maior partido da oposição no país. 

“Como o caso é político, não vamos aceitar que os manifestantes vão a julgamento. Vamos desencadear um conjunto de ações para ver se conseguimos libertá-los – com manifestações e vigílias. O caso político deve ser resolvido também de forma política”, defendeu o porta-voz do movimento, Digo Dalí. 

Governo nega morte de manifestante 

Entretanto, apesar de as autoridades negarem, participantes e dirigentes da UNITA têm insistido que houve uma morte devido à repressão violenta da polícia no protesto em Luanda. 

Um manifestante declarou a um órgão de comunicação que testemunhou uma morte no protesto de sábado. “Ele morreu bem ao meu lado, caiu no chão ao lado de uma loja nos Congolenses enquanto decorria a manifestação. Não tenho nenhuma foto dele, mas as imagens ainda correm na minha cabeça. (…) Vi a polícia levá-lo”, disse. 

Também a UNITA alegou publicamente que houve uma morte e exigiu ainda a libertação incondicional dos detidos. 

“A responsabilidade dos atos de violência, dos distúrbios e mesmo da morte confirmada são da polícia e dos seus mandantes. Faço um apelo ao senhor Presidente da República e aos membros do seu Governo para não se esconderem atrás da Covid para limitarem direitos e liberdade dos cidadãos, para violarem a Constituição ou para atrasarem os compromissos institucionais e o desenvolvimento do nosso país”afirmou em entrevista o presidente da UNITA Adalberto Costa Júnior. 

O secretário Salvador Rodrigues, por sua vez, negou qualquer registo de mortes e partilhou que seis polícias ficaram feridos. Mencionou igualmente a existência de vários danos materiais às forças de segurança, como a “queima de uma motorizada e de uma viatura dos bombeiros, além da quebra dos vidros de uma ambulância e de uma viatura da unidade de trânsito”. 

Manifestantes queixam-se de extravio dos seus pertences 

O líder do Movimento dos Estudantes de Angola (MEA), Francisco Teixeira, um dos 103 cidadãos detidos e organizador da manifestação de sábado, denunciou que durante a detenção, feita pelos agentes da Polícia Nacionalforam extraviados alguns dos seus objetos pessoais, entre os quais telemóveis, dinheiro e chinelos. 

Em representação dos restantes, desabafou então o sucedido, salientando que “o serviço da polícia não é roubar, mas sim proteger o cidadão”. 

O ativista, que aguarda para ser ouvido, explicou como tudo aconteceu. Assim que desci da minha viatura, a primeira coisa que fizeram é me tirar dinheiro, telefone e chave da minha viatura”, contou. 

Também de acordo com a mesma fonte, há outros detidos que lamentam pelos seus pertences.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

Ucrânia e Rússia adiam negociações para esta quinta-feira

As negociações entre a Ucrânia e a Rússia foram adiadas para esta quinta-feira, 03 de março.  A delegação ucraniana está…
Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

Portugal agradece à Roménia apoio no repatriamento de portugueses e ucranianos

O primeiro-ministro português, António Costa, manifestou publicamente ao Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, a sua gratidão pelo apoio prestado na…
Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

Guiné-Bissau: PGR quer vigilância acrescida a pessoas com enriquecimento anormal

O Procurador-geral da República (PGR) pediu aos magistrados para estarem atentos às pessoas que procuram vias fáceis para enriquecer, às…
Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

Moçambique: Oposição critica "silêncio" do Governo sobre invasão à Ucrânia

A Renamo e o MDM, partidos moçambicanos da oposição, condenam a invasão da Rússia à Ucrânia. Ambos criticam o “silêncio”…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin