Angola: CASA-CE nega ser aliada do MPLA

O coordenador da CASA-CE negou as acusações de que é alvo. Manuel Fernandes tem sido acusado de transformar a coligação partidária num aliado do MPLA, partido no poder, contra as restantes formações políticas da oposição.

As declarações foram feitas nesta quinta-feira, 16 de setembro. O dirigente minimizou as críticas sobre alegadas “facilidades políticas” e que estaria a beneficiar-se do MPLA e do seu líder e atual Presidente da República de Angola, João Lourenço, com quem teve recentemente uma audiência ao ser recebido no Palácio da Cidade Alta.

Fernandes afirmou que estas acusações resultam do facto de ter rejeitado participar no projeto da Frente Patriótica Unida. Recorde-se que se trata de uma plataforma política que está a ser organizada pela UNITA, pelo Bloco Democrático e pelo projeto PRA-JA Servir Angola, sendo o objetivo principal vencer o MPLA nas eleições gerais de 2022.

“Porque se eu tivesse aceite integrar [a Frente Patriótica Unida] não haveria este tipo de discurso”, sustentou.

O político disse estar “mais preocupado com a organização das bases no interior do país, porque quem vai votar é o povo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin