Angola: Chivukuvuku atrasa formalização da Frente Patriótica

O coordenador do projeto político PRA-JA Servir Angola, Abel Chivukuvuku, está a impor condições na criação da Frente Patriótica Unida (FPU). Esta posição condiciona a proclamação formal da FPU, devido à exigência de acordos com todos os seus integrantes sobre aquilo a que chama de “princípios, valores e objetivos”

“Temos que estar de acordo sobre como é que a FPU vai funcionar, como é que vamos governar depois de ganharmos e como é que vamos trabalhar no Parlamento”, afirmou. 

Chivukuvuku demonstrou que não está preocupado com a marcação de datas para a proclamação da FPU, sob o argumento de que “o mais importante é que aconteça e com solidez”

Recorde-se que o presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, informou a 11 de setembro que iria anunciar a liderança da FPU nos dez dias seguintes, o que acabou por não acontecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin