Angola

Angola: Confrontos entre militantes do MPLA e da UNITA causam feridos e detenções

Militantes da UNITA

Alguns militantes do MPLA e da UNITA entraram em confrontos na província de Benguela. O ocorrido, que durou cerca de 15 dias, culminou em seis detenções e vários feridos, na sequência de actos que destruíram uma estrutura do maior partido na oposição em Angola.

A UNITA acusou os militantes do partido no poder de terem realizado ações que considera adversas à paz e reconciliação entre as duas formações políticas, tendo apresentado queixa na Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo o deputado Alberto Ngalanela, secretário provincial da UNITA, os militantes do MPLA inviabilizaram a implantação política do seu partido na localidade do Hungulo, município do Balambo, com a administração local já informada sobre o acto. “Mesmo perante ameaças, colocou-se a bandeira, mas eles vieram e arrancaram, saquearam bens e agrediram o nosso dirigente. Os nossos voltaram a colocar a bandeira, mas eles regressaram e a tiraram de uma maneira mais feroz”, denunciou.

Ngalanela acrescentou que os militantes do seu partido acabaram por reagir, o que tornou o clima mais tenso. “Nesta defesa, desarmaram os agressores e com os mesmos instrumentos desferiram golpes. Devo dizer que há feridos do nosso lado e do MPLA”, concluiu.

Em reação ao sucedido, o MPLA afirmou que aguarda pelo momento certo para falar sobre a violência no Balombo, já confirmada pelo Comando Provincial da Polícia Nacional, que lamenta a existência de feridos graves e indica que há baixas de ambos os lados. O porta-voz da corporação, superintendente-chefe Francisco Tchango, avançou que o Ministério Público já está a tratar do assunto.

“Foi destruído algum património da UNITA por elementos do MPLA, mas, a nível do município, as autoridades já terão resolvido o problema. Os detidos estão a contas com o Ministério Público”, garantiu.

De acordo com as últimas informações divulgadas, os detidos já estão em liberdade, após terem cumprido algumas horas numa das celas do Lobito.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo