Angola: Costa Júnior confiante na vitória da UNITA nas eleições

A UNITA organizou um evento no sábado, 11 de setembro, em que milhares de pessoas marcharam em Luanda. O evento serviu para pedir eleições livres, justas e transparentes, tendo contado com a participação dos partidos PRS e Bloco Democrático.

A maior parte dos manifestantes tratava-se de jovens. Foram gritadas palavras de ordem e empunhados cartazes com frases como “voto livre, igual e transparente”, “tratamento igual para todos os concorrentes”, “votar no local de residência” e “bilhete de identidade para todos os angolanos”.

Esta iniciativa aconteceu após o Parlamento angolano ter aprovado a Lei de Alteração da Lei Orgânica das Eleições Gerais apenas com votos a favor do MPLA, partido no poder. Entretanto, o documento foi vetado pelo Presidente da República, João Lourenço.

Em breves declarações à imprensa no dia da marcha, o líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, garantiu que a formação política que representa está preparada para vencer as eleições gerais, previstas para 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin