Angola: Costa Júnior não quer falar sobre candidatura na UNITA

Adalberto Costa Júnior considera ser “extemporâneo” afirmar já se poderá ou não voltar a candidatar-se à presidência da UNITA, segundo o “Novo Jornal”. A declaração foi feita após a Comissão Política ter anunciado a realização do XIII Congresso Ordinário até dia 04 de dezembro

O político vê como “inoportuno” anunciar se vai ou não candidatar-se pelo facto de Isaías Samakuva ainda não ter convocado o conclave. Recorde-se que Samakuva voltou à liderança da principal formação política da oposição em Angola depois de o Tribunal Constitucional ter decidido anular o XIII Congresso Ordinário realizado em 2019, de onde Costa Júnior saiu vencedor

Sobre a primeira reunião extraordinário da Comissão Política da UNITA, o ex-dirigente disse que foi um encontro de “intenso debate sobre a vida nacional, bem como sobre a vida interna do partido”

“Durante os debates, houve um consenso muito amplo de que a decisão do Tribunal Constitucional foi política, e identificámos muito claramente uma tentativa de divisão da direção do partido”, partilhou, acrescentando que tal não irá acontecer porque a UNITA é “madura”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin