Angola: Costa Júnior quer reunir-se com João Lourenço

Adalberto Costa Júnior foi eleito presidente da UNITA na noite de sábado, 04 de dezembro, com 1.081 votos a favor (96,43%), 26 contra (2,32%) e três abstenções (0,27%). 

Durante o seu discurso após o anúncio dos resultados do sufrágio, declarou que iria retomar a “todo o vapor” a agenda de trabalho que tinha antes de ter sido “travado” em outubro pelo Acórdão 700/2021 do Tribunal Constitucional. 

O político desafiou o Presidente de Angola, João Lourenço, para um diálogo, com o objetivo de abordarem em conjunto os principais problemas do país. A restauração do diálogo institucional é uma das metas neste retorno à liderança da UNITA, partilhou. 

“Vamos limpar o passado negativo de falta de diálogo”, começou por dizer, citado pela “DW África”. “Faremos de tudo para a melhoria da nossa tradição africana, nos sentarmos num Ondjango com o Sr. Presidente da República e falarmos com maturidade dos nossos desafios”, prosseguiu. 

Costa Júnior considera que só assim será possível passar “ao país uma mensagem positiva e de incentivo à sã convivência, na diferença”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin