Angola: Crescente insatisfação popular mobilizou a sociedade civil como nunca visto, até há pouco.

Presidente de Angola, João Lourenço

A manifestação de Sábado (24 de outubro), convocada por ativistas e que contou como o apoio da UNITA, não foi autorizada pelas autoridades, tendo sido reprimida, como habitualmente, com violência por parte das autoridades policiais. As autoridades relembram, ainda, que foi violado o decreto presidencial de sexta-feira, relativo às novas regras definidas para evitar a propagação da pandemia em Luanda.

Sabe-se que a PNA – Polícia Nacional de Angola – deteve 103 manifestantes, entre os quais profissionais da comunicação social (entre eles um repórter da AFP), ativistas bem conhecidos da sociedade civil, havendo ainda registo da presença de militantes e de um deputado da UNITA, Nelito Ekuikui, agredido pela Polícia Nacional de Angola. A PNA nega ter ocorrido qualquer morte de manifestantes, mas enfatiza que seis polícias ficaram feridos.

A polícia respalda-se na proibição da manifestação e da necessidade de repor a ordem pública, alterada pelos distúrbios e arremesso de pedras contra si, além dos vários atos de vandalismo registados. A Governadora de Luanda, Joana Lina, reforça esta ideia, condenando a realização da manifestação, classificando-a de “atos de vandalismo e desacato às autoridades”.

A manifestação tinha como propósito reivindicar políticas de emprego, condições de vida e a realização das eleições autárquicas, um tema caro à Oposição.

Na verdade, o que se tem vindo a assistir gradualmente é ao despertar da consciência da sociedade civil e a perda do medo da repressão do regime, detido e personalizado pelo MPLA. Acresce, a junção do ativismo com a política, no caso a UNITA, que nunca se tinham “misturado” como o fizeram neste Sábado, procurando galgar uma oportunidade, para a qual poderão vir a sofrer duras consequências, sobretudo a UNITA.

A tão temida instabilidade social provocada, entre outros aspetos pelas dificuldades económicas do país, fruto também das más opções económicas produtivas, começa a ganhar peso numa sociedade angolana que começa a ter pouco a perder e, em que o grito de desespero e a necessidade de inverter, ou encontrar um novo rumo, vai ganhando, a cada dia que passa, mais simpatizantes e força, deixando o regime inquieto com um futuro que lhe pode vir a ser adverso, quando se prepara para as próximas eleições, em 2022, que poderão incluir as prometidas eleições autárquicas que eram suposto tere sido realizadas este ano de 2020.

 

Vicente Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Estudo com 4 245 psiquiatras da Europa sobre o estigma associado à doença mental na prática clínica apresenta primeiros resultados

Estudo com 4 245 psiquiatras da Europa sobre o estigma associado à doença mental na prática clínica apresenta primeiros resultados

A promoção de uma cultura laboral que inclua iniciativas anti-estigma e a integração destas ações nos programas de formação em…
Moçambique: População ainda se mantém no posto administrativo de Mucojo apesar da ordem de evacuação

Moçambique: População ainda se mantém no posto administrativo de Mucojo apesar da ordem de evacuação

Ainda há população nas aldeias do posto administrativo de Mucojo, distrito de Macomia, apesar de ter sido decretada a evacuação…
Moçambique: Terroristas atacam Quissanga – sede e ilha Quirimba, em Ibo

Moçambique: Terroristas atacam Quissanga – sede e ilha Quirimba, em Ibo

O último fim-de-semana foi marcado por mais uma investida dos grupos terroristas, no distrito de Quissanga e na ilha Quirimba,…
Cabo Verde: Perfil do candidato Aquilino Varela

Cabo Verde: Perfil do candidato Aquilino Varela

Aquilino Varela é um educador, analista político e defensor apaixonado do desenvolvimento comunitário. Nascido e criado em Gil Bispo, Santa…