Angola | Ásia

Angola entra em conflito com a China ao aproximar-se dos EUA

João Lourenço

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, está a tentar reestruturar a dívida do país à China, mas este país não terá gostado da aproximação de Angola aos Estados Unidos da América (EUA). A informação foi avançada por uma fonte da Presidência angolana.

João Lourenço poderá, nos próximos dias, ligar para o homólogo chinês, Xi Jinping, com o objetivo de resolver o impasse em torno da dívida de Angola à China.

O assunto terá sido abordado durante uma audiência que o governante angolano concedeu recentemente ao embaixador da China em Luanda. Com a dívida avaliada em mais de 22 mil milhões de dólares (20 mil milhões de euros), Angola acabou por pedir auxílio ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que se dispôs a mediar um acordo com Pequim.

No início Luanda pediu uma moratória de cinco anos para pagar a dívida. Depois sugeriu a suspensão do envio de petróleo para a China como garantia do reembolso, tendo obtido uma resposta negativa dos chineses.

O Banco de Desenvolvimento da China, que funciona como fundo de investimento e possui cerca de 14.600 milhões de dólares (13.500 milhões de euros) da dívida angolana, não se encontra muito recetivo a renun­ciar às suas exigências, continuando a China a exigir pagamento em petróleo.

Entretanto, as críticas da população angolana à qualidade de obras feitas por chineses em Angola não contribuem para a concórdia, o que faz com que todos estes sinais de distanciamento de Luanda, coincidindo com aproximação a Washington, incomodem Pequim.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo