Angola: Ex-dirigente extraditado de Portugal colocado em liberdade

O ex-Presidente do Conselho de Administração da empresa Transportes Colectivos Urbanos de Luanda (TCUL) e Geral da Unicargas, Abel Cosme, foi recentemente extraditado por Portugal para Angola. O visado era procurado pela justiça angolana desde que fugiu para o território português, em 2018. 

Cosme foi constituído arguido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) num processo relacionado com desvio de fundos, suspeita da prática de branqueamento de capitais, corrupção, peculato e associação criminosa. 

No entanto, já se encontra em liberdade. A decisão da justiça angolana foi tomada seis dias após Abel Cosme ter sido ouvido pela Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP). 

A DNIAP concluiu em sede de interrogatório que o arguido do “caso CNC” (Conselho Nacional de Carregadores) em que deveria ter sido julgado com o antigo ministro dos Transportes, Augusto Tomás, em 2019, não fugiu de Angola. Assim, deixou-o em liberdade. 

A defesa do réu apresentou à PGR provas que certificam que Cosme ausentou-se do país por motivos de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin