Angola: João Lourenço apela ao diálogo entre UNITA, TPA e TV Zimbo

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, apelou ao diálogo entre a UNITA, a TPA e a TV Zimbo, na sequência das agressões contra os jornalistas desses órgãos de comunicação social durante a marcha de sábado, 11 de setembro, em Luanda.

“Eu penso que a iniciativa foi dos ofendidos [órgãos de comunicação social] à intolerância por parte de um determinado partido político. Sentiram a vida dos seus jornalistas em causa, em perigo, e reagiram da forma como todos nós vimos”, declarou, referindo-se ao facto de as duas televisões públicas terem dito que não iriam mais cobrir atividades da UNITA.

O chefe de Estado considera que a guerra dos comunicados não ajuda. “Muito pelo contrário, acirra cada vez mais os ânimos. Faz aumentar o nível de tensão que nós, enquanto líderes deste país, devemos evitar”, observou.

As declarações foram feitas nesta quarta-feira, 15 de setembro, durante a conferência de imprensa enquadrada na visita realizada à província do Cuanza-Norte. João Lourenço acrescentou que a situação trata-se de uma questão de diálogo e conversa.

“Acredito que, se isso acontecer, os ofendidos acabarão por perdoar e voltar tudo ao normal”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin