Angola: João Lourenço não autoriza marcha do MPLA

O Presidente angolano, João Lourenço, não aprovou a realização de uma designada “marcha dos milhões”, convocada recentemente pelo seu partido, MPLA. O objetivo da mesma era dar resposta a um comício promovido pela UNITA no sábado passado, 11 de setembro, em Luanda.

Recorde-se que essa marcha visava exigir a realização de eleições justas e transparentes em Angola. No entanto, o chefe de Estado decidiu desmobilizar a marcha do MPLA, formação política no poder, devido a quatro fatores.

Um deles é pelo facto de João Lourenço considerar que o MPLA não deve agir em função da agenda dos seus opositores políticos.

Outro motivo deve-se ao facto de a marcha do principal partido da oposição ter levado a Comissão Multissectorial para Prevenção e Combate à Covid-19 a alertar quanto aos riscos da propagação da doença. Assim, uma atividade idêntica por parte do MPLA estaria a diminuí-lo no seu papel de “autoridade moral” junto da sociedade.

Além de que, outro fator apontado pelo governante, a oposição marchou para exigir “eleições justas e transparentes” no país e, caso a organização política no poder ripostasse, poderia transmitir a ideia de ser uma  marcha oposta, nesse caso, “contra eleições transparentes”.

Por fim, o Comité Provincial do MPLA em Luanda realizou uma reunião de balanço nesta quarta-feira, 15 de setembro, tendo reconhecido igualmente que o momento não era oportuno para dar resposta à UNITA. Isto porque haveria o risco de a atividade não ter muita adesão, o que colocaria em cheque a imagem de “máquina mobilizadora” do partido no poder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin