Angola: Líder da FNLA aposta no diálogo interno

O líder da FNLA, Nimi a Simbi, defende a aposta no diálogo para resolver as diferenças internas no partido. A sua posição foi manifestada durante o balanço das atividades realizadas em 2021.

Sobre a possibilidade de impugnação do V Congresso, Simbi apelou à calma. Recorde-se que se o Tribunal Constitucional de Angola aceitar as queixas do antigo secretário geral da formação política, Pedro Dala, e do candidato derrotado, Tristão Ernesto, a nomeação do atual presidente da formação política deixa de ser legal e Nimi a Simbi terá de sair.

O dirigente aconselhou também os militantes a deixarem que a justiça faça o seu trabalho, para além de manterem a calma.

Na sua intervenção apelou à adesão aos Balcões Único de Atendimento ao Público (BUAP) para o registo eleitoral oficioso, para que os militantes consigam votar nas eleições gerais previstas para 2022.

A ação da FNLA para este ano deverá ter como eixos principais os domínios político, administrativo, técnico e funcional, assente numa boa gestão financeira, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin