Angola: Líder da FNLA exige empenho do secretariado

O líder da FNLA, Nimi a Simbi, exigiu aos 19 secretários nacionais empossados em Luanda nesta quinta-feira, 28 de outubro, que se empenhassem mais na solução dos problemas em vez de “passarem a vida a prestarem declarações públicas em diferentes órgãos de comunicação social”

As declarações do dirigente, citado pelo “Jornal de Angola”, foram feitas depois de ter participado na recepção de pastas do presidente cessante, Lucas Ngonda. O evento decorreu na sede da FNLA, na Vila Alice, na presença de militantes e quadros do partido. 

“Recomendo aos secretários para que falem pouco e trabalhem muito. Não quero ouvir na imprensa declarações em todo o lado”, criticou. O importante é “mostrar os resultados” do trabalho, prosseguiu. 

Para Simbi, “a FNLA não pode estar na base dos problemas do país, mas ser a solução”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin