Angola: Líder da UNITA diz que futuro do país começa em 2022

O líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, disse no congresso que o reelegeu que o futuro de Angola vai começar em agosto de 2022, ano das eleições gerais. Neste âmbito, reassumiu o seu compromisso com a Frente Patriótica Unida, plataforma eleitoral que une este partido a outros dois da oposição. 

“O nosso futuro começa em agosto de 2022, mas tem de ser conquistado todos os dias”, realçou, citado pelo “Ver Angola”. 

O dirigente dedicou a sua vitória “a todos os angolanos que anseiam pela mudança, pela alternância democrática e por uma verdadeira democracia”. Para Costa Júnior, “chegou a hora da esperança, de abraçar uma vida diferente, de construir uma Angola nova e melhor”

Foi deixada uma palavra de apreço ao presidente cessante, Isaías Samakuva, que “herdou uma missão ingrata”. Também Samakuva declarou um seu apoio ao presidente reeleito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin