Angola: Ministro das Finanças tranquiliza credores chineses

Após ter sido noticiado que o Governo angolano formalizou esta terça-feira, 09 de outubro, um novo pedido de financiamento às autoridades da China, o ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, já veio esclarecer que “parte” dos 2 mil milhões de dólares que serão financiados pelo Governo da China servirão “para a regularização da dívida com os credores chineses”, de acordo com a “ANGOP”.

O ministro quis prestar declarações à imprensa quando se encontrava em Pequim, na China, para tranquilizar os credores chineses. Archer Mangueira afirmou que este novo crédito servirá para a amortização, a médio e longo prazo, da dívida acumulada de Angola para com a segunda maior potência económica do mundo, que já atingiu cerca de 23 mil milhões de dólares norte-americanos (19.659 milhões de euros) nos últimos 20 anos.

Archer Mangueira mencionou ainda o destino do financiamento. “Será destinado para financiar projectos que possam alavancar o sector produtivo, de tal maneira que possam, a médio e longo prazo, aumentar o volume de receitas, principalmente aquelas voltadas para a exportação”, sublinhou o ministro das Finanças.

A linha de crédito é parte de um acordo assinado entre o Ministério das Finanças de Angola e o Banco de Desenvolvimento da China (CDB), no quadro da visita de Estado do Presidente da República, João Lourenço, que termina hoje, 10 de outubro.

Os 60 milhões de dólares da República Popular da China, investidos até ao momento em Angola, vieram da multinacional chinesa Huawei, a terceira maior fabricante de smartphones no mundo. Esta informação foi avançada hoje em Pequim, através do vice-presidente da empresa, Yi Xiang, que renovou o interesse em reforçar o investimento neste país africano, que é um mercado estratégico para a China.

Segundo Yi Xiang, Angola é um dos países onde a Huawei começou a expandir o seu negócio no exterior, o que justifica o interesse de ver reforçada a sua implantação em solo angolano, pois é nesse local que a empresa desenvolve a tecnologia 2 G, 3 G e 4 G, estando a participar ativamente no processo de desenvolvimento da tecnologia, principalmente para a melhoria da infra-estrutura de comunicação.

“Nós gostaríamos de contribuir com o nosso esforço de tecnologia, para trazer o mundo digital e interconectado para cada pessoa, família e organização em Angola”, disse à imprensa no âmbito de uma visita do Presidente angolano, João Lourenço, ao Centro de Pesquisa Tecnológica da Huawei, no quadro da sua visita de Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Angola: Moco diz que MPLA receia enfrentar Costa Júnior

Angola: Moco diz que MPLA receia enfrentar Costa Júnior

O ex-primeiro-ministro angolano e militante do MPLA, Marcolino Moco, afirmou que o partido no poder, tal como o líder João…
Moçambique quer fortalecer cooperação com STP na Educação

Moçambique quer fortalecer cooperação com STP na Educação

A Embaixadora de Moçambique em São Tomé e Príncipe, Osvalda Joana, partilhou a vontade do país que representa em reforçar…
Cabo Verde: PAICV quer vencer as seis câmaras municipais de Santiago Norte em 2024

Cabo Verde: PAICV quer vencer as seis câmaras municipais de Santiago Norte em 2024

A presidente da Comissão Política Regional do PAICV em Santiago Norte, Carla Carvalho, afirmou que o “grande desafio” do mandato…
Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

O ministro da Educação em Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira, 11 de março, que as escolas portuguesas estão preparadas…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin