Angola: MPLA aconselha maior fiscalização às obras do PIIM

Os membros do Secretariado do Bureau Político do MPLA avaliaram nesta quarta-feira, 19 de agosto, o estado de implementação do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM). A conclusão a que chegaram foi de que seria  melhor haver um maior sentido de fiscalização e uma atempada execução dos projetos. O objetivo é melhorar assim as condições de vida das populações.

A recomendação sobre o PIIM integra o comunicado final da 11.ª reunião extraordinária do Secretariado do Bureau Político do partido no poder. O encontro foi orientado pela vice-presidente da formação política, Luísa Damião.

Durante a reunião foram abordadas várias questões de organização interna. Os membros do Secretariado do Bureau Político apreciaram os pareceres sobre as propostas de candidaturas para o provimento dos cargos de segundos secretários provinciais do MPLA.

Tal referia-se às províncias do Cuando Cubango, Cunene, Cuanza-Sul, Huambo e Luanda, além do cargo de primeiro secretário provincial da JMPLA no Cunene.

Foram igualmente analisados outros assuntos da vida interna. Os militantes, simpatizantes e amigos do MPLA foram incentivados a participarem ativamente nas atividades político-partidárias, respeitando as normas e regras determinadas pelas autoridades sanitárias.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: PAICV critica "falhanço" na política de segurança do Governo

Cabo Verde: PAICV critica "falhanço" na política de segurança do Governo

O PAICV apontou o “falhanço” nas políticas de segurança do Governo cabo-verdiano esta quarta-feira, 11 de janeiro, no Parlamento.  “No…
Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

O Ministério das Finanças de Timor-Leste divulgou dados que indicam que o Estado gastou mais de 57 mil dólares americanos…
Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

No dia 30 de dezembro do ano passado, o então presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deixou o país rumo ao…
Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Cerca de 38 organizações portuguesas e quase 300 pessoas assinaram um documento de apoio ao governo democraticamente eleito do Brasil…