Angola: MPLA admite fome, pobreza e mortes sociais no país

deputado Álvaro de Boavida Neto, membro do grupo de acompanhamento do Comité Central do MPLA para a província da Huíla, admitiu que é necessário haver mais investimentos no setor social para um momento que disse ser difícil. 

“Convém assumir, camaradas, que o país não está a viver um período bom. Há fome, camarada, há pobreza, há mortes sociais que têm de nos preocupar. Aqui particularmente temos a seca como fenómeno natural que afeta determinadas zonas contra o qual devemos procurar soluções para mitigar os efeitos negativos”, expôs, citado pela “VOA”. 

O aviso do membro do partido no poder ocorre numa semana em que começa a discussão no Parlamento sobre o Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2022. 

Recorde-se que os partidos da oposição têm apelado sucessivamente ao Governo para que declarasse o estado de emergência no Sul de Angola. O mesmo pedido já foi feito pela Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), por organizações não governamentais e por vários ativistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin