Angola: MPLA admite fome, pobreza e mortes sociais no país

deputado Álvaro de Boavida Neto, membro do grupo de acompanhamento do Comité Central do MPLA para a província da Huíla, admitiu que é necessário haver mais investimentos no setor social para um momento que disse ser difícil. 

“Convém assumir, camaradas, que o país não está a viver um período bom. Há fome, camarada, há pobreza, há mortes sociais que têm de nos preocupar. Aqui particularmente temos a seca como fenómeno natural que afeta determinadas zonas contra o qual devemos procurar soluções para mitigar os efeitos negativos”, expôs, citado pela “VOA”. 

O aviso do membro do partido no poder ocorre numa semana em que começa a discussão no Parlamento sobre o Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2022. 

Recorde-se que os partidos da oposição têm apelado sucessivamente ao Governo para que declarasse o estado de emergência no Sul de Angola. O mesmo pedido já foi feito pela Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), por organizações não governamentais e por vários ativistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Correia e Silva quer Economia Digital a valer 25% do PIB

Cabo Verde: Correia e Silva quer Economia Digital a valer 25% do PIB

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, tem como meta fazer com que a Economia Digital contribua com 25% do Produto Interno Bruto (PIB). Este objetivo…
Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

A Grécia manifestou a Angola o seu desejo de estabelecer cooperação nos domínios da Segurança Marítima, Comércio, Turismo, Indústria, Agricultura e Inovação. Essa…
Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

A presidente do Instituto Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres (INGD) Luísa Meque, apelou às comunidades que residem nas…
Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Os trabalhadores timorenses na Coreia do Sul já enviaram para Timor-Leste, de 2009 a 2021, cerca de 39 milhões de dólares…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin