Angola: Nimi a Simbi é o novo líder da FNLA

Os delegados ao quinto Congresso da FNLA elegeram Nimi a Simbi para o cargo de presidente do partido. A nomeação ocorreu neste domingo, 19 de setembro, em Luanda, através de 297 votos. 

Já o presidente cessante, Lucas Ngonda, ficou em segundo lugar, com 276 votos. Seguiu-se Fernando Pedro Gomes, terceiro candidato mais votado. 

Ao todo, concorreram ao cargo cinco candidatos. Além dos já mencionados, a lista era constituída por Tristão Ernesto e Carlito Roberto. 

O evento teve como lema “FNLA unidos na diversidade venceremos” e decorreu sob o signo da reunificação e harmonização do partido, de acordo com as declarações de vários participantes. No congresso estiveram presentes 1.459 delegados, tendo este sido realizado em sistema híbrido, presencial e via zoom. 

Para além da nomeação do presidente da FNLA e do comité central, foi aprovada a estratégia eleitoral para as eleições gerais de 2022, bem como o relatório de contas do comité central cessante. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin