Angola: OGE para 2022 aprovado na generalidade

A Assembleia Nacional de Angola aprovou nesta terça-feira, 10 de novembro, na generalidade, a Proposta de Lei do Orçamento Geral do Estado (OGE) para o exercício económico de 2022. O valor é de 18,7 biliões de Kwanzas, tendo em conta as despesas e as receitas avaliadas. 

O documento que na generalidade recebeu 126 votos a favor, 36 contra (UNITA) e seis abstenções, vai continuar a ser discutido nos próximos dias, desta vez na especialidade. Coube à ministra das Finanças, Vera Daves, apresentá-lo na Assembleia. 

Ao justificar o porquê de ter votado contra, o grupo parlamentar da UNITA disse ter considerado a proposta de OGE para 2022 “essencialmente eleitoralista e que encerra o atual ciclo político com fortes sinais de corrupção”

Trata-se de uma posição que consta da declaração política do grupo parlamentar da UNITA, tendo a mesma sido lida pelo seu líder parlamentar, Adalberto Costa Júnior, durante a sessão plenária de discussão e aprovação da proposta de lei do OGE para 2022

2 Comments

  1. Carlos Yoba, Angola

    considero importante este espaço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin