Angola: Oposição quer levantamento da cerca sanitária a Luanda

UNITA, CASA-CE e PRS, partidos da oposição em Angola, defendem que já não faz sentido isolar Luanda pela pandemia da Covid-19. Isto porque, explicaram, o novo coronavírus está presente em toda o país. 

Já se passaram oito meses desde o encerramento das fronteiras de Luanda. Como tal, as formações políticas na oposição com assento na Assembleia querem que o Governo deixe de manter a cerca sanitária sobre essa zona. 

Para a UNITA, maior partido na oposição, os cidadãos não devem continuar confinados em Luanda por causa da pandemia. “As pessoas agora são condicionadas ao teste da Covid para saírem ou entrarem em Luanda, quando os testes são caríssimos e raros e há pessoas que nem o BI [Bilhete de Identidade] tem para sair, quanto mais o teste”, afirmou a deputada Albertina Navemba Ngolo. 

“O país não pode soçobrar por causa da Covid. Temos que nos adaptar à pandemia porque manter as fronteiras fechadas quando a sobrevivência depende do interior não é sensato”concluiu. 

Também a CASA-CE defendeu o levantamento da cerca. O deputado Manuel Fernandes considera que a situação pode rebentar de vez caso tal não aconteça. 

“Grande parte das províncias do país já tem transmissão comunitária, pelo que o que devemos fazer é conviver com a pandemia”referiu, alertando que se corre o risco de a economia “rebentar pelas costuras”. 

Por sua vez, o PRS disse partilhar da mesma opinião. O secretário-geral Rui Malopa declarou que “a cerca sanitária sobre Luanda devia ser levantada para desafogar a situação das pessoas e permitir que haja circulação de pessoas e bens”. 

Já o MPLA mostrou-se contra estas opiniões. Para a organização política no poder não é altura para abrir a cerca, de maneira a não provocar a transmissão comunitária, que, a seu ver, só está em Luanda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



Artigos relacionados

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

A ilha cabo-verdiana de Santo Antão registou uma redução “drástica” no número de turistas em 2020, uma vez que foram contabilizados apenas 12.620 no ano passado. Este…
Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

O Banco Mundial (BM) prevê que a economia moçambicana recupere gradualmente ainda neste ano de 2021. No entanto, alerta para os riscos significativos de uma queda, devido à incerteza sobre o caminho…
Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

O Procurador-Geral da República de Timor-Leste, Alfonso Lopez, informou que o Ministério Público registou 2.577 casos pendentes a nível nacional. O anúncio foi…
Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

“Calígula morreu. Eu não“, espetáculo com encenação de Marco Paiva e texto da dramaturga espanhola Clàudia Cedó, chega à Sala…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin