Angola: Samakuva recua na data limite do XIII Congresso da UNITA

O líder da UNITA, Isaías Samakuva, admitiu a possibilidade de o XIII Congresso Ordinário do partido não ser realizado até 04 de dezembro, data limite apontada pela Comissão Política na semana passada para o evento. 

A informação foi avançada aos jornalistas nesta segunda-feira, 25 de outubro, depois da cerimónia de tomada de posse de Samakuva enquanto membro do Conselho da República, uma inerência à condição de presidente da UNITA

Segundo o dirigente, a preparação do conclave obedece a determinados requisitos, sendo necessário analisar se é possível reuni-los. A organização política, continuou, “espera que seja possível” cumprir a data anteriormente mencionada com a prática que tem na realização de congressos, com “dedicação” e empenho. 

Estas declarações significam que fica aberta a possibilidade de, por questões burocráticas, não ser possível organizar o XIII Congresso Ordinário até 04 de dezembro. É o presidente do partido quem tem a competência estatutária de marcar a data definitiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin