Angola

Angola: UNITA afirma que combate contra a corrupção não acaba no ‘Luanda Leaks’

A UNITA apelou nesta terça-feira, 11 de fevereiro, ao empenho do Parlamento Europeu na luta contra a corrupção, realçando que a mesma “não se esgota nem se circunscreve no ‘Luanda Leaks’”. A afirmação foi feita através de um comunicado, divulgado para manifestar a posição sobre o combate à corrupção em Angola. 

No documento, o principal partido da oposição congratula o Parlamento Europeu por agendar para quarta-feira um debate sobre branqueamento de capitais, “num momento em que Angola está no centro das atenções mundiais, devido a magnitude do nível escandaloso de corrupção que assola o País”revelado através da investigação jornalística denominada ‘Luanda Leaks’. 

Para a UNITA“a corrupção faz parte da cultura do Partido no poder [MPLA] desde os primórdios da independência”. Como tal, conteúdo dos documentos revelados pelo consórcio de jornalistas que investigou os esquemas financeiros que ajudaram a empresária Isabel dos Santos, membro do MPLA, a erguer um império milionário não surpreendeu a formação política. 

“A UNITA esteve sempre na linha da frente do combate contra a corrupção, tendo feito, ao longo dos anos, vários pronunciamentos sobre o assunto”pode ainda ler-se no comunicado, que invoca as várias comissões parlamentares de inquérito solicitadas e recusadas, nomeadamente ao Banco Espírito Santo de Angola, em 2013, à Sonangol, em 2016, ao Fundo Soberano de Angola e à Dívida Pública, em 2018. 

“O chamado Luanda Leaks veio apenas confirmar o que a UNITA, personalidades da sociedade civil e setores da comunidade Internacional, foram vezes sem conta denunciando”, conclui, apelando a que “a luta contra a corrupção seja feita de forma célere e generalizada, responsabilizando todos os corruptos, sem exceção”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo