Angola: UNITA fala sobre possibilidade de adiar congresso

O porta-voz da UNITA, Ruben Sicato, informou neste domingo, 28 de novembro, que a comissão política do partido vai voltar a discutir a data do congresso agendado para 02 a 04 de dezembro. O motivo deve-se à providência cautelar que um grupo de militantes apresentou ao Tribunal Constitucional, pode ler-se no “Jornal de Angola”. 

Segundo Sicato, o referido grupo de militantes pede a impugnação da reunião da comissão política onde foi decidida a marcação do congresso. 

“Se houver providência cautelar, essa data fica desfeita, porque uma providência cautelar tem uma força obrigatória para quem se dirige e se o Tribunal Constitucional entender que a UNITA não pode fazer o congresso nessa data, como é desejo daqueles que interpuseram essa providência, não poderemos fazer o congresso naquela data”, explicou, citado pela “Lusa”.  

No entanto, acrescentou, “os tribunais fazem o seu trabalho em nome do povo, não podem fazer o seu trabalho como lhes apetece”. Assim, tal como outros órgãos do Estado, “não podem interferir na vida política dos partidos”, que funcionam de acordo com os seus estatutos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin