Angola: UNITA vai marchar este sábado por “eleições justas”

A UNITA convocou para este sábado, 11 de setembro, uma marcha na cidade de Luanda. O objetivo é exigir “eleições justas e transparentes” depois da aprovação, com votos exclusivos do MPLA, da Lei Orgânica das Eleições Gerais.

O ponto de encontro será no Cemitério da Santa Ana, às 10 horas locais, e irá seguir para o Largo 1º de Maio. Trata-se de uma iniciativa que foi dada a conhecer ao Governo Provincial de Luanda na terça-feira, dia 07.

Recorde-se que a referida lei foi aprovada com 136 votos a favor, todos eles do MPLA, 52 votos contra e uma abstenção da FNLA. Para a UNITA, o maior partido da oposição em Angola, trata-se de uma lei que abre a porta à fraude eleitoral generalizada.

Depois dessa aprovação, os partidos da oposição com assento parlamentar pediram ao chefe de Estado, João Lourenço, para não promulgar o Projeto de Alteração da Lei Orgânica das Eleições Gerais.

Entretanto, o Presidente da República decidiu solicitar à Assembleia Nacional a reapreciação da Lei de Alteração à Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais, para a reapreciação de algumas matérias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin